Brasil

Moro determina transferência de Bendine

A transferência do ex-presidente da Petrobras para o Complexo Médico Penal de Pinhais, em Curitiba, havia sido solicitada pela PF no começo da manhã

Aldemir Bendine: o ex-presidente da Petrobras foi preso no último dia 27 (Nacho Doce/Files/Reuters/Reuters)

Aldemir Bendine: o ex-presidente da Petrobras foi preso no último dia 27 (Nacho Doce/Files/Reuters/Reuters)

AB

Agência Brasil

Publicado em 4 de agosto de 2017 às 15h35.

O juiz federal Sérgio Moro determinou hoje (4) a transferência do ex-presidente do Banco do Brasil e da Petrobras, Aldemir Bendine, para o Complexo Médico Penal de Pinhais, na região metropolitana de Curitiba.

Bendine está detido na carceragem da Polícia Federal (PF), na capital paranaense, desde que foi preso no último dia 27, durante a 42ª fase da Operação Lava Jato.

A transferência do réu para o presídio havia sido solicitada pela PF no começo da manhã desta sexta-feira sob o argumento da "necessidade de manter a separação de presos", uma vez que alguns dos detidos sob custódia do órgão celebraram acordos de colaboração premiada.

Em despacho publicado no final da manhã, Moro concordou com o posicionamento da PF.

"A carceragem da Polícia Federal é prisão de passagem e a permanência nela depende de condições excepcionais, como é o caso da necessidade de proteção a condenados que celebraram acordo de colaboração premiada, como Marcelo Bahia Odebrecht", diz o texto.

Segundo o juiz, as instalações do Complexo Médico Penal são adequadas, ainda que não perfeitas: "Não houve, por outro lado, em três anos da assim denominada Operação Lava Jato, notícia de qualquer incidente contra a integridade física dos presos ali mantidos".

Reconsideração

No começo da tarde, a defesa de Aldemir Bendine enviou a Sérgio Moro um pedido de reconsideração da decisão de transferência.

Segundo o documento, o réu possui uma filha com desordens psiquiátricas que necessita visitar o pai semanalmente para que não haja piora do quadro clínico.

"Ocorre que, conforme é cediço, as visitas no Complexo Médico Penal pressupõem uma rigorosa revista íntima, que, em virtude do caráter de exposição a ela inerente, poderá servir de agravante à já delicada situação da saúde mental da garota", diz a petição.

Os advogados de Bendine finalizam o documento pedindo que Moro reconsidere a decisão "por razões humanitárias".

Acompanhe tudo sobre:BB – Banco do BrasilJustiçaPetrobrasPrisõesSergio Moro

Mais de Brasil

Governo cria sistema de emissão de carteira nacional da pessoa com TEA

Governo de SP usará drones para estimar número de morte de peixes após contaminação de rios

8/1: Dobra número de investigados por atos golpistas que pediram refúgio na Argentina, estima PF

PEC que anistia partidos só deve ser votada em agosto no Senado

Mais na Exame