Brasil

Moraes diz que é "plausível" que Bolsonaro tenha inserido dados falsos sobre vacinação

A afirmação está dentro da decisão que determinou diversas medidas, entre elas a prisão de Mauro Cid e a busca e apreensão na casa do ex-presidente

 (Jair Bolsonaro/ Facebook/Reprodução)

(Jair Bolsonaro/ Facebook/Reprodução)

Publicado em 3 de maio de 2023 às 16h09.

Última atualização em 3 de maio de 2023 às 17h29.

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou que é "plausível" a linha investigativa da Polícia Federal (PF) de que o ex-presidente Jair Bolsonaro participou de um esquema para fraudar comprovantes de vacinação. O ministro, porém, diz que não há indícios da participação de Michelle Bolsonaro na possível fraude.

"É plausível, lógica e robusta a linha investigativa sobre a possibilidade de o ex-presidente da República, de maneira velada e mediante inserção de dados falsos nos sistemas do SUS, buscar para si e para terceiros eventuais vantagens advindas da efetiva imunização, especialmente considerado o fato de não ter conseguido a reeleição nas Eleições Gerais de 2022", diz Moraes.

A afirmação está dentro da decisão que determinou diversas medidas, entre elas a prisão de Mauro Cid e a busca e apreensão na casa do ex-presidente que foram cumpridas na manhã desta quarta-feira, 3. Toda a investigação estava sob sigilo e Moraes decidiu tornar todo o documento público, ao qual EXAME teve acesso.

Moraes ainda comentou um parecer da Procuradoria-Geral da República (PGR), que alegou que só haveria provas das participação de Cid, e não do ex-presidente.

"Não há qualquer indicação nos autos que conceda credibilidade à versão de que o ajudante de ordens do ex-Presidente da República Jair Messias Bolsonaro pudesse ter comandado relevante operação criminosa, destinada diretamente ao então mandatário e sua filha L. F. B., sem, no mínimo, conhecimento e aquiescência daquele, circunstância que somente poderá ser apurada mediante a realização da medida de busca e apreensão requerida pela autoridade policial", escreveu o ministro.

Bolsonaro disse que não se vacinou

Mais cedo, em entrevista a jornalistas, o ex-presidente disse que não tomou vacina contra a covid-19 e que estava "surpreso" com a operação da Polícia Federal que investiga suposta falsificação do cartão de vacinação. 

"O objetivo de busca foi o cartão de vacina. Eu não tomei vacina. Foi uma decisão minha depois de ler a bula da Pfizer. O cartão da minha esposa também foi fotografado. Ela tomou nos Estados Unidos, da Janssen. Minha filha Laura também não tomou. Eu fico surpreso [com a investigação]. Não tenho mais nada o que falar", disse o ex-presidente em frente a sua residência em Brasília, logo depois de saída da PF do local.

O que é a operação Venire da Polícia Federal?

A operação, autorizada pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, faz parte do inquérito das "milícias digitais" que tramitam no Congresso. Batizada Venire, a ofensiva cumpre mais cinco mandados de prisão preventiva e vasculha 16 endereços em Brasília e no Rio de Janeiro.

(Com Agência O Globo)

Acompanhe tudo sobre:Operação VenireJair Bolsonaro

Mais de Brasil

Governo sanciona lei que prevê plano de combate à violência contra mulher

PL do aborto: Conselho Federal da OAB aprova parecer que avalia texto como inconstitucional

Em SP, operação da Polícia Civil despeja projeto social na Cracolândia

PF recupera gravuras raras roubadas há 16 anos da Biblioteca Mário de Andrade, em SP

Mais na Exame