Acompanhe:

O Metrô de São Paulo entrou com ação na Justiça na quinta-feira, 30, pedindo reparação de R$ 6,4 milhões ao Sindicato dos Metroviários por danos materiais causados pela greve da terça-feira, 28, que envolveu também funcionários da saúde, educação e ferroviários.

Representantes do sindicato afirmam que as ações questionam o direito de greve dos trabalhadores previsto na Constituição Federal.

O prejuízo material de mais de R$ 6 milhões do Metrô foi calculado a partir da queda da receita ao longo do dia por causa da baixa quantidade de passageiros, com prestação parcial do serviço no plano de contingência.

A empresa cita ainda o descumprimento da decisão do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) que ordenou o funcionamento mínimo de 80% dos serviços das linhas de metrô nos horários de pico.

De acordo com a empresa, "os danos morais serão analisados pelo Judiciário".

No dia da greve, o governo informou que 88% dos metroviários haviam cruzado os braços e aderido à paralisação.

Essa é a segunda ação movida pelo Metrô neste ano reivindicando o ressarcimento de prejuízos pelas paralisações. Em outubro, a Justiça recebeu pedido de indenização ainda maior, no valor de R$ 7.129.589,31 pelos danos da greve do dia 3 de novembro. Outra ação semelhante foi ajuizada no valor de R$ 3.846.158,25 por uma greve realizada em 2021. Todas as ações estão em tramitação.

Sindicato vê ameaça ao direito de greve

Funcionários do Metrô e da CPTM interromperam as atividades em protesto à privatização da companhia de saneamento básico (Sabesp) e à concessão das linhas metroferroviárias, duas das principais promessas de Tarcísio durante a campanha eleitoral de 2022. A Linha 7 (Rubi) deve ser a primeira a ser entregue à iniciativa privada na atual gestão no projeto "Trem das Cidades" chegando até Campinas.

"Essa é a terceira ação que o Metrô move, na Justiça comum, alegando o tema das indenizações. Eu acho que essa postura pede que o Poder Judiciário e as instituições do País abram os olhos sobre a existência ou não do direito de greve. Ou existe direito de greve ou a gente tem que pagar R$ 6 milhões de indenização", diz Camila Lisboa, presidente do sindicato.

"A ação me parece uma tentativa de utilizar o Poder Judiciário para tentar estrangular financeiramente as entidades. Todo mundo sabe que o Sindicato dos Metroviários não tem esse dinheiro. Estamos vivendo numa democracia. O direito de greve existe. Esse tipo de movimentação ameaça a Constituição do País", afirma.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Pacheco diz que Senado não pode 'compactuar' com comparação de ação de Israel a Holocausto
Brasil

Pacheco diz que Senado não pode 'compactuar' com comparação de ação de Israel a Holocausto

Há 3 horas

Helicóptero cai em Barueri, na Grande SP, e deixa ao menos sete feridos; veja vídeo
Brasil

Helicóptero cai em Barueri, na Grande SP, e deixa ao menos sete feridos; veja vídeo

Há 3 horas

Em Haia, Brasil critica Israel por 'anexação ilegal e inaceitável' de territórios palestinos
Brasil

Em Haia, Brasil critica Israel por 'anexação ilegal e inaceitável' de territórios palestinos

Há 4 horas

Dino discursa no Senado antes de assumir no STF: 'Não há caminho para o Brasil fora da política’
Brasil

Dino discursa no Senado antes de assumir no STF: 'Não há caminho para o Brasil fora da política’

Há 4 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais