Brasil

Curtas: uma seleção do mais importante no Brasil e no mundo

ÀS SETE - país abriu 76.599 empregos com carteira assinada em outubro, uma alta de 0,20% em relação a setembro

Carteira de trabalho: país criou mais de 76 mil vagas de emprego com carteira assinada em outubro (Rafael Neddermeyer/Fotos Públicas)

Carteira de trabalho: país criou mais de 76 mil vagas de emprego com carteira assinada em outubro (Rafael Neddermeyer/Fotos Públicas)

DR

Da Redação

Publicado em 21 de novembro de 2017 às 06h13.

Última atualização em 21 de novembro de 2017 às 07h42.

Expansão no emprego

O país abriu 76.599 empregos com carteira assinada em outubro, uma alta de 0,20% em relação a setembro, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados hoje pelo Ministério do Trabalho. Esse número é reflexo da diferença entre 1.187.819 admissões e de 1.111.220 desligamentos registrados no mês passado. No ano, foram abertas 302.189 vagas formais, uma expansão de 0,79% em relação ao estoque de dezembro de 2016. Nos últimos doze meses, entretanto, o saldo permanece negativo. Foram eliminados 294.305 postos de trabalho, uma retração de -0,76% no contingente de empregados com carteira assinada de outubro de 2016.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

Nogueira: 2 milhões com a reforma

O ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, disse nesta segunda-feira que espera a criação de 2 milhões de empregos em 2018 e 2019 com a regulamentação de contratos de teletrabalho, jornada intermitente e jornada parcial, parte da reforma trabalhista que entrou em vigor neste mês. Para o ministro, esse número de pessoas está atualmente na informalidade e, com as mudanças na legislação, passarão a ter empregos formais. “Nós temos a convicção que em 2018 e 2019, só com a regulamentação desses contratos, dessas pessoas que sairão da informalidade sendo recepcionadas por essa nova modalidade de contrato de trabalho, nós teremos a oportunidade de gerar aí 2 milhões de empregos formais no Brasil”, afirmou o ministro.

Segovia e Temer

Depois de se dizer lisonjeado com a presença do presidente Michel Temer (PMDB) em sua cerimônia de posse, o novo diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, disse que o presidente continuará a ser investigado com a “celeridade de todos os outros inquéritos”. A afirmação de Segovia sobre a continuidade das investigações se deu diante da insistência de jornalistas. Em um primeiro momento, o novo diretor-geral havia dito que as investigações contra o peemedebista já tinham sido concluídas. “Não temos mais nada a executar dentro dessas investigações que estão à disposição do Supremo Tribunal Federal“, afirmou, em relação aos dois inquéritos que apuravam o crime de corrupção, obstrução de Justiça e organização criminosa, aos quais a Câmara dos Deputados decidiu não dar prosseguimento.

Segovia e a mala

Segovia criticou a forma como a Procuradoria-Geral da República, na gestão Rodrigo Janot, conduziu a delação da JBS e a denúncia por corrupção passiva contra Temer no caso da mala dos 500.000 reais que a JBS pagou para o ex-assessor especial do presidente, Rodrigo Rocha Loures. “Uma única mala talvez não desse toda a materialidade criminosa que a gente necessitaria para resolver se havia ou não crime, quem seriam os partícipes e se haveria ou não corrupção”, declarou.

Renan condenado

O juiz federal Waldemar Carvalho, da 14ª Vara Federal, condenou o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), à perda de mandato e perda dos direitos políticos por 8 anos, por improbidade administrativa. O processo envolve o caso em que o senador foi acusado de receber propinas da construtora Mendes Júnior, que pagaria as despesas da jornalista Mônica Veloso com quem mantinha relacionamento extraconjugal. Em 2007, quando foi revelado, o peemedebista renunciou à presidência do Senado em uma manobra para não perder o mandato. A defesa do senador afirmou que vai recorrer da decisão.

Bernardinho candidato?

Nome mais conhecido do partido Novo, o técnico de vôlei, economista e empresário Bernardinho pediu prazo até abril do ano que vem para decidir se aceita o convite para concorrer ao governo do Rio. Compromissos profissionais e a resistência da família são os fatores que mais pesam na decisão. O mau momento vivido pelo estado, que sofre com uma crise financeira sem precedentes, aumento da violência e o corporativismo da classe política, no entanto, não é empecilho para o multicampeão mundial e olímpico. “Alguém tem que pegar essa bomba, né?”, disse Bernardinho ao ser questionado sobre os riscos de assumir uma administração estadual falida.

Restrição russa

O serviço veterinário e fitossanitário da Rússia, Rosselkhoznadzor, anunciou nesta segunda-feira que vai impor restrições temporárias à carne bovina e suína do Brasil a partir de 1º de dezembro. Segundo o departamento russo, a medida se deve à detecção na carne exportada de substâncias como ractopamina e outros estimulantes para o crescimento da massa muscular dos animais. “Infelizmente, o Rosselkhoznadzor é forçado a afirmar que, de acordo com os estudos laboratoriais, os estimulantes de crescimento banidos foram novamente detectados nos produtos de criação de gado que chegam à Rússia do Brasil em 2017”, afirma o serviço em nota publicada em seu site. O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, negou que a medida represente o fechamento da Rússia para as carnes brasileiras.

O destino de Mugabe

A União Nacional Africana do Zimbábue-Frente Patriótica (ZANU-PF), partido liderado por Robert Mugabe, submeterá sua continuidade na presidência do país a uma moção de censura no Parlamento, onde tem a maioria, informaram nesta segunda-feira fontes da legenda. A decisão foi tomada um dia após o comitê central do partido, fundado por Mugabe, ter dado um ultimato ao presidente para renunciar voluntariamente, dando um fim constitucional à crise vivida pelo país, controlado pelos militares desde a semana passada. No domingo, a ZANU-PF destituiu Mugabe, de 93 anos e no poder desde 1980, como líder do partido. Na reunião, também foi expulsa da legenda a primeira-dama, Grace Mugabe, e aliados políticos do presidente, entre eles vários ministros.

Chile: segundo turno confirmado

O ex-presidente Sebastián Piñera e o senador independente Alejandro Guillier disputarão no próximo dia 17 de dezembro o segundo turno das eleições presidenciais do Chile, depois que neste domingo nenhum dos oito candidatos alcançou a maioria absoluta, confirmou nesta segunda-feira o Serviço Eleitoral chileno (Servel). Piñera, líder da coalizão direitista Chile Vamos, foi o vencedor do primeiro turno, com 36,66% dos votos (2.408.831), seguido do candidato do pacto governista Força de Maioria, com 22,68% (1.489.991), segundo a contagem final divulgada agora pouco. Os resultados devem ser revisados agora pelo Tribunal Qualificador de Eleições (Tricel), após o que serão considerados oficiais.

EUA vs. Warner e AT&T

O Departamento de Justiça dos EUA entrou com uma ação para impedir o negócio de 85 bilhões de dólares entre a AT&T e a Time Warner, no que pode ser uma das maiores disputas antitruste vistas em Washington nas últimas décadas. A ação pretende impedir um acordo que juntaria a AT&T, uma das maiores fornecedoras de internet e TV paga dos EUA, com a Time Warner, uma das maiores produtoras de conteúdo do país. A decisão do Departamento de Justiça é fora do padrão porque o negócio combinaria dois tipos diferentes de empresa, uma de telecomunicações com uma de mídia e entretenimento.

Acompanhe tudo sobre:AlemanhaÀs SeteChileEmpregosEstados Unidos (EUA)Exame HojeRenan CalheirosRússia

Mais de Brasil

Gonet diz que 'não faz sentido' proibir delação premiada de presos, proposta em discussão na Câmara

STF tem maioria para derrubar pontos da reforma da Previdência que atingem servidores públicos

CCJ do Senado aprova liberação de cassinos, bingos e jogo do bicho

Mais na Exame