Brasil

Maia diz que instalará comissão de abuso de autoridade

Projeto trata da revisão da lei de abuso de autoridade para juízes e membros do Ministério Público

Rodrigo Maia: projeto de abuso de autoridade foi aprovado pelo plenário do Senado em 26 de abril e enviado para a Câmara, onde está parado desde então (Agência Brasil/Agência Brasil)

Rodrigo Maia: projeto de abuso de autoridade foi aprovado pelo plenário do Senado em 26 de abril e enviado para a Câmara, onde está parado desde então (Agência Brasil/Agência Brasil)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 11 de maio de 2017 às 14h41.

Brasília - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quinta-feira, 11, que não tem alternativa, senão instalar uma comissão especial na Casa para analisar o projeto que trata da revisão da lei de abuso de autoridade para juízes e membros do Ministério Público. Segundo ele, o processo de instalação deve durar duas ou três semanas para ser concluído.

"Vou ter de instalar a comissão, né. Não tenho muita alternativa. Vou ver o melhor momento", afirmou Maia em entrevista ao chegar à Câmara, após reunião com a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Carmen Lúcia, e o ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato na Corte.

"A princípio, a ideia é que possamos começar esse debate com calma, sem pressa", acrescentou o parlamentar fluminense.

O projeto de abuso de autoridade foi aprovado pelo plenário do Senado em 26 de abril e enviado para a Câmara, onde está parado desde então.

Em entrevista ao Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, no fim de abril, Maia disse que o abuso de autoridade e o fim do foro privilegiado são temas fundamentais para serem tratados pelo Congresso Nacional, mas que, na avaliação dele, "talvez não seja o momento" adequado para votá-los.

Para o presidente da Câmara, há dois pesos e duas medidas nas discussões sobre o projeto. "Da mesma forma que aprovar uma lei de abuso pode parecer vontade de acabar com a Lava Jato, nesse momento de criminalização da política, modificar o foro pode gerar ambiente de caça às bruxas muito grande. Se há legitimidade para um, há para o outro", disse Maia na entrevista ao Broadcast.

Acompanhe tudo sobre:Câmara dos DeputadosRodrigo MaiaSupremo Tribunal Federal (STF)

Mais de Brasil

Câmara aprova projeto que cria cadastro nacional de condenados por violência contra a mulher

Comissão da Câmara aprova projeto de lei para incluir animais domésticos no Censo Demográfico

MPF busca solução para liberar 400 estrangeiros retidos no aeroporto de Guarulhos

Lula avaliará situação de Juscelino após viagem, diz Jaques Wagner

Mais na Exame