Maia diz que "acha ótimo" se Bolsonaro mantiver Lorenzoni na Casa Civil

Nos últimos dias, Bolsonaro esvaziou a Casa Civil; Onyx vem perdendo poder desde o início do governo

Rodrigo Maia: "Se exonerá-lo, é um problema do governo" (Amanda Perobelli/Reuters)

Rodrigo Maia: "Se exonerá-lo, é um problema do governo" (Amanda Perobelli/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 31 de janeiro de 2020 às 14h45.

Rio — O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), disse nesta sexta-feira, 31, que acharia "ótimo" a manutenção de Onyx Lorenzoni, que é do seu partido, na chefia da Casa Civil. Maia, contudo, garantiu que uma eventual saída do ministro não atrapalharia a relação do Congresso com o presidente Jair Bolsonaro. "Se exonerá-lo, é um problema do governo", declarou.

Nos últimos dias, Bolsonaro esvaziou a Casa Civil. Primeiro, exonerou o então secretário-executivo da Pasta, Vicente Santini, e, depois, tornou nula sua nomeação em uma secretaria subordinada ao ministério.

Na quinta-feira, 30, o presidente anunciou também que irá transferir o Programa de Parceria de Investimentos (PPI) da Casa Civil para o Ministério da Economia. Tudo isso ocorreu enquanto Onyx Lorenzoni estava de férias. Bolsonaro e Onyx deverão se encontrar nesta sexta.

Sobre isso, Rodrigo Maia procurou afastar qualquer possibilidade de animosidade entre governo e Congresso.

"Com a Câmara não vai gerar problema nenhum. Uma coisa é a gente apoiar o trabalho do Onyx, trabalhar em sintonia com ele. Se o presidente resolver mantê-lo no poder eu acho ótimo, será uma decisão boa. Se exonerá-lo, é um problema do governo, nós não vamos pautar a nossa Casa porque o governo nomeia ou exonera algum funcionário", sustentou, após reunião fechada com investidores no Rio. "Quem tem que avaliar isso é o presidente da República. Eu não tenho que avaliar nomeação de ninguém."

Maia foi além e disse que a ida de Onyx ao governo não partiu de seu legebda. "Do DEM nunca foi indicação. O próprio presidente já disse que seus ministros foram todos indicações pessoais dele", comentou o presidente da Câmara. "O DEM tem relação (com Onyx) antes e um respeito enorme pelo trabalho dele. Agora, essa questão de nomear e exonerar não é problema nosso, do Parlamento, muito menos do DEM."

Congresso

Sobre o ritmo de trabalho no Congresso Nacional, Rodrigo Maia disse estar torcendo para que a votação do pacto federativo ocorra ainda no primeiro semestre. "A parte do pacto está no Senado e esperamos que o Senado vote rápido. Nós estamos prontos para continuar, dar prosseguimento. Reforma administrativa e tributária estão na agenda da Câmara", afirmou.

Mais de Brasil

Conflitos por terra batem recorde no Brasil no primeiro ano do governo Lula

Cármen Lúcia mantém condenação de Deltan por Power Point contra Lula

Risco fiscal está 'drenando oportunidades' do Brasil, diz Tarcísio

Fluxo de passageiros para o exterior cresce pelo 24º mês seguido mostra Anac

Mais na Exame