Onyx Lorenzoni, de novo, está sob pressão

Em férias, o ministro-chefe da Casa Civil vê demissão de aliado, sua pasta perder funções e sua própria saída ser cogitada

Onyx Lorenzoni: a dúvida que paira em Brasília é se o ministro da Casa Civil aceitará permanecer no cargo nessas condições desfavoráveis (Adriano Machado/Reuters)

Onyx Lorenzoni: a dúvida que paira em Brasília é se o ministro da Casa Civil aceitará permanecer no cargo nessas condições desfavoráveis (Adriano Machado/Reuters)

AJ

André Jankavski

Publicado em 31 de janeiro de 2020 às 06h29.

Última atualização em 4 de fevereiro de 2020 às 12h46.

São Paulo — A última semana foi agitada para o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. De férias nos Estados Unidos, viagem em que aproveitou para visitar o guru e filósofo Olavo de Carvalho, o ministro viu a sua pasta passar por uma série de crises — e também observou a sua demissão ser aventada em Brasília.

Lorenzoni, que já passou por outros testes dentro do governo, nunca esteve tão fragilizado com o presidente Jair Bolsonaro. Apenas em janeiro, é o segundo ministro a sofrer com o fogo amigo do chefe do executivo, após o ministro Sergio Moro, da Justiça e Segurança Pública.

O que levou o foco das atenções para Lorenzoni, mesmo longe de Brasília, foi a saída do secretário-executivo da Casa Civil, Vicente Santini, número dois do Ministério.

Após ter participado do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, e ter sido elogiado pelo chefe Lorenzoni nas redes sociais, Santini achou que seria uma boa ideia tomar um avião da Força Aérea Brasileira para se juntar à comitiva presidencial na Índia.

Não foi. O gasto estimado em 700.000 reais pela viagem, que fez acompanhado de duas assessoras, não foi engolido pelo presidente — e com razão. Santini foi desonerado. No entanto, um dia depois, Santini, que é amigo de Eduardo e Flávio Bolsonaro, já aparecia em outra função na própria Casa Civil.

A explicação, segundo nota do Ministério, foi: “o presidente e Vicente Santini conversaram e o presidente entendeu que Santini deve seguir colaborando com o governo”. Com a repercussão negativa de sua própria decisão, Bolsonaro voltou atrás e ainda demitiu o novo número 2, Fernando Moura, ambos indicados por Lorenzoni. Novamente, o ministro ficou na berlinda.

O poder do ministro-chefe da Casa Civil, que foi um dos principais aliados de Bolsonaro durante a eleição, foi diminuindo mês após mês.

Em junho, Lorenzoni perdeu a articulação política, que é uma das principais funções da pasta. Também viu a Subchefia de Assuntos Jurídicos ser transferida para a Secretaria-Geral. Na crise atual, perdeu o PPI, o Programa de Parceria de Investimentos, para o ministério da Economia.

Com uma pasta esvaziada pelo próprio chefe, a dúvida que paira em Brasília é se Lorenzoni aceitará permanecer no cargo nessas condições desfavoráveis.

Para se inteirar dos assuntos, antecipou o retorno dos Estados Unidos – a sua volta estava marcada só para o próximo dia 2. Ao mesmo tempo, alguns aliados começam a se movimentar para defender o ministro.

O exemplo mais notório é o do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Do mesmo partido de Lorenzoni, o parlamentar foi alçado ao posto de presidente em uma tensa disputa com o senador Renan Calheiros (MDB-AL) – e com a ajuda e a articulação do ministro.

Não por acaso, circulam informações entre congressistas e aliados do governo de que Alcolumbre partiria para a retaliação, barrando pautas do presidente da República no Senado.

Bolsonaro, cujas relações com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, já não são das melhores, pode também ter uma animosidade na outra casa do Congresso Nacional. E tudo isso por causa de mais uma fritura de aliado em público.

Mais de Brasil

Conflitos por terra batem recorde no Brasil no primeiro ano do governo Lula

Cármen Lúcia mantém condenação de Deltan por Power Point contra Lula

Risco fiscal está 'drenando oportunidades' do Brasil, diz Tarcísio

Fluxo de passageiros para o exterior cresce pelo 24º mês seguido mostra Anac

Mais na Exame