Brasil

Luta contra a discriminação precisa ser um valor dentro das empresas, avalia diretor da Petrobras

Em entrevista ao Canal UM BRASIL, Mário Spinelli, diretor de Governança e Conformidade da Petrobras, enfatiza que organizações precisam criar meios de detectar e punir os responsáveis por tais crimes

Um Brasil: Spinelli enfatiza que, hoje, os principais ativos nas organizações são a imagem e a reputação (Um Brasil/Divulgação)

Um Brasil: Spinelli enfatiza que, hoje, os principais ativos nas organizações são a imagem e a reputação (Um Brasil/Divulgação)

UM BRASIL
UM BRASIL

Hub de conteúdo

Publicado em 16 de setembro de 2023 às 15h00.

A legislação brasileira tem possibilitado avanços importantes na criação de mecanismos capazes de detectar casos de assédio nas empresas, inclusive o sexual. Contudo, posto que uma lei não impacta instantaneamente o comportamento das pessoas, há dois fatores determinantes na área de Compliance que ajudam a ditar a transformação: a boa prática e a proibição da transgressão  no discurso e nas ações da alta administração.

“Isso é chamado de ‘o tom que vem de cima’. A mudança cultural passa, necessariamente, por uma mudança de quem comanda as organizações. Diante de tantos casos de violência no trabalho, se quem está no comando não assumir o discurso e praticá-lo contra isso, nada funcionará”, adverte Mário Spinelli, diretor de Governança e Conformidade da Petrobras.

Spinelli enfatiza que, hoje, os principais ativos nas organizações são a imagem e a reputação. “A sociedade mudou de forma representativa contra comportamentos como violência sexual direcionada às mulheres, assédio moral e todos os tipos de discriminação. As empresas precisam se adaptar a isso. Agora, as pessoas se sentem mais confortáveis para denunciar. As organizações devem ter meios de detectar e punir os responsáveis. Ainda que a represália seja o último estágio, não podemos nos eximir desse dever.”

Em entrevista ao Canal UM BRASIL — uma realização da FecomercioSP —, o executivo ainda salienta que a empresa que mostrar respeito às pessoas e promover um ambiente digno no trabalho se tornará preferência de bons profissionais e consumidores.

“A organização sem um olhar atento para isso vai perder mercado e tenderá a desaparecer, felizmente”, reforça. “Nesse mundo onde vivemos, muito conectado e com muito acesso à informação, cada vez mais a sociedade cobrará que o compromisso da empresa se transforme em atitude e ação prática. Se as empresas falharem, serão cobradas. O mercado precisa estar atento ao fato de que isso é um componente de valor”, conclui.

Acompanhe tudo sobre:PetrobrasAssédio moral

Mais de Brasil

Chuva deve voltar ao Rio Grande do Sul nesta segunda-feira

Apenas 11% das escolas têm internet na velocidade certa, diz pesquisa

Julgamento que pode cassar Jorge Seif ficará para Cármen Lúcia após saída de Moraes do TSE

Rio Grande do Sul: Defesa Civil contabiliza 200 toneladas de alimentos doados

Mais na Exame