Brasil

Lula sai em defesa de Nísia e pede que ministra fale diretamente à população

Em coletiva de impresa, o chefe do Executivo reagiu às pressões sobre a gestão na pasta

Nísia Trindade, ministra da Saúde (Rafael Nascimento/Ministério da Saúde/Divulgação)

Nísia Trindade, ministra da Saúde (Rafael Nascimento/Ministério da Saúde/Divulgação)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 8 de abril de 2024 às 15h35.

Última atualização em 8 de abril de 2024 às 16h24.

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, saiu em defesa e demonstrou apoio à gestão da ministra da Saúde, Nísia Trindade.

Em meio à pressão na gestão da pasta nas últimas semanas, Lula disse que recomendou a Nísia a "falar grosso" e cobrou que ela, sempre que possível, se dirija à população para prestar esclarecimentos.

"Outro dia, em reunião dos ministérios, eu disse que ela tinha de falar grosso na questão da Saúde. Estava aquele problema dos hospitais do Rio de Janeiro. A Nísia respondeu para mim o seguinte: 'Eu não posso falar grosso porque eu sou mulher, eu falo manso.'", contou Lula, em entrevista coletiva de imprensa para prestação de contas do Ministério da Saúde nesta segunda-feira, 8, no Palácio do Planalto.

E acrescentou: "Acho que a Nísia, falando manso como ela falou, posso até achar que alguém pode não gostar de você, mas duvido que tem alguém que não acredite em cada palavra que você fala."

Na avaliação do presidente da República, Nísia fala com "alma e consciência das pessoas". "A questão da saúde no Brasil precisa, sempre que possível, que a ministra da Saúde se dirija ao povo brasileiro, e hoje temos mecanismos para isso, porque muitas vezes o povo precisa de orientação", cobrou.

Acompanhe tudo sobre:Ministério da SaúdeNísia TrindadeLuiz Inácio Lula da SilvaGoverno Lula

Mais de Brasil

Adaptação das cidades à crise climática exige mudança de paradigma, dizem especialistas

Bairros, empreendimentos e cidades inteligentes

Enchentes no RS: mais de 76 mil pessoas estão em abrigos; 155 mortes e 94 desaparecidos

Presidente da Anatel defende que órgão regule as plataformas digitais

Mais na Exame