Brasil

Lula conversará com Macron sobre acordo entre Rússia e Ucrânia

Em Madri, o presidente também destacou que quer atrair nova onda de investimentos espanhóis para o Brasil. Ele encerrará visita oficial ao país nesta quarta-feira, 26

Lula e Macron: brasileiro criticou novamente a invasão do território ucraniano (Ricardo Stuckert/Twitter/Reprodução)

Lula e Macron: brasileiro criticou novamente a invasão do território ucraniano (Ricardo Stuckert/Twitter/Reprodução)

Agência Brasil
Agência Brasil

Agência de notícias

Publicado em 25 de abril de 2023 às 19h52.

Última atualização em 25 de abril de 2023 às 20h01.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve marcar, até semana que vem, um encontro com o presidente da França, Emmanuel Macron, para conversar sobre uma solução para o conflito entre Rússia e Ucrânia. O presidente está em viagem oficial à Espanha e participou de um fórum empresarial, nesta terça-feira, 25, em Madri. "Pretendo, possivelmente, nesta semana [ou] semana que vem marcar um encontro com o Macron", afirmou, referindo-se às negociações de paz. Em discurso no evento, ele criticou novamente a invasão do território ucraniano pelo russo e afirmou que essa é uma “guerra insana”.

“O Brasil está empenhado na tentativa de arrumar parceiros para que possamos trazer a paz, para que a Ucrânia possa ficar com seu território, para que os russos fiquem com a Rússia, para que o mundo não sofra a falta de alimentos, para que o mundo não sofra a falta de fertilizantes e para que o mundo volte a prosperar para gerar os empregos que a humanidade precisa”, disse, reforçando a preocupação com as crises alimentar e energética provocadas pela guerra.

A intenção de Lula pode indicar, portanto, uma visita à França em breve. Ainda não há, porém, confirmação dessa viagem. Segundo o presidente, ele já tratou pessoalmente sobre o tema com o chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, e com os presidentes dos Estados Unidos, Joe Biden, e da China, Xi Jinping, além de já ter conversado por telefone com o próprio Macron. A tentativa, disse o Lula, é de “construir um movimento que traga a paz de volta na nossa querida Europa, para que a gente não fique sonhando toda noite com a possibilidade de uma Terceira Guerra Mundial ou até do uso de bomba nuclear”.

“O que pode evitar isso é sensatez de a gente tentar encontrar um denominador comum para chegar à paz”, acrescentou. Amanhã, dia 26, Lula também conversará sobre o assunto com o presidente espanhol, Pedro Sánchez.

“Uma guerra que jamais poderia ter acontecido porque não pode se aceitar que um país invada a integridade territorial de outro país. Mas uma guerra que também não tem ninguém falando em paz. E, às vezes, eu fico perguntando até quando essa guerra vai durar? Porque se ninguém quiser construir a paz, se os dois lados, o que invadiu está reticente e o invadido também tem sua razão de estar reticente, eu fico me perguntando quem é que vai tentar resolver essa situação”, disse.

Atração de investimentos

Aos empresários, Lula também disse que quer atrair investimentos em novos negócios no Brasil, em especial em energias renováveis, como hidrogênio verde, usinas eólicas, de biomassa e energia solar. Para isso, ele afirmou que o Brasil voltou a oferecer credibilidade e estabilidade política, econômica e social, além de previsibilidade jurídica com o fortalecimento de marcos regulatórios.

Ele citou ainda o programa de projetos em infraestrutura que será lançado pelo governo federal no próximo mês. “Pedi para que cada governador apresentasse os três projetos mais importantes para o seu estado e, com esses projetos, vamos sair internamente e vamos sair ao mundo oferecendo a oportunidade investimento”, disse. “O aperfeiçoamento da infraestrutura logística é um desafio que o Brasil deve enfrentar para consolidar seu desenvolvimento. Vamos superar os gargalos que minam a competitividade brasileira”, acrescentou.

O apoio à inovação e à indústria do conhecimento também foi destacado por Lula em seu discurso. Entretanto, para ele, a competitividade que o Brasil quer “não pode resultar na redução da renda dos trabalhadores, na diminuição do emprego formal, na restrição da liberdade dos trabalhadores ou desmonte das políticas públicas”.

“Queremos reproduzir nos setores secundário e terciário da economia a exitosa experiência que fez do Brasil uma potência agropecuária, produtora de alimentos e agroenergia, agregando as condições naturais do país à eficiência do trabalho, da ciência e da tecnologia e de políticas públicas eficazes”, disse. “Todas as medidas domésticas são complementadas com ações de fortalecimento do comércio exterior, com ampliação mercados e iniciativas nos organismos multilaterais, a fim de deter a marcha insensata do protecionismo no mundo”, acrescentou.

O presidente criticou, novamente, o patamar da taxa Selic, os juros básicos da economia, por encarecer o crédito e dificultar os investimentos no país. A Selic está no maior nível desde janeiro de 2017, quando também estava em 13,75% ao ano. No mês passado, pela quinta vez seguida, o Banco Central não mexeu na taxa, que permanece nesse nível desde agosto do ano passado. “Espero que a Espanha coloque dinheiro para emprestar mais barato, para podermos ter empresários que vêm aqui buscar dinheiro emprestado”, disse Lula.

A Espanha é o segundo país que mais investe no Brasil, atrás dos Estados Unidos. Durante seu discurso, Lula citou casos de sucesso de empresas espanholas no Brasil, como a Telefônica e o banco Santander.

“Esse sucesso não é só medido pelo resultado financeiro da companhia ou pelos lucros aos seus acionistas, é medido, sobretudo, pelo impacto positivo que trazem à sociedade na qual estão inseridas, por meio da geração de emprego e distribuição de renda”, disse o presidente. “A estabilidade política e o crescimento da economia brasileira voltarão a fazer excelentes retornos as empresas espanholas”, acrescentou.

Hoje, a presidência da União Europeia (UE) está com a Suécia e, a partir de julho, será da Espanha. Nesse sentido, Lula destacou que ambos os países estão engajados na conclusão do acordo Mercosul-UE, cuja finalização se arrasta há anos.

“É um acordo importante para todos e queremos que seja equilibrado e que contribua para a reindustrialização do Brasil”, disse o presidente. Há uma expectativa de que o acordo possa ser concluído ainda em 2023.

Aprovado em 2019, após 20 anos de negociações, o acordo Mercosul-UE precisa ser ratificado pelos parlamentos de todos os países dos dois blocos para entrar em vigor. Uma tramitação que envolve 31 países.

Trabalhadores de aplicativos

Mais cedo, o presidente Lula e o ministro do Trabalho, Luiz Marinho, se reuniram, em Madri, com lideranças sindicais espanholas do Sindicato Unión General de Trabajadoras y Trabajadores de España (UGT) e da Comisiones Obreras (CCOO).

De acordo com o Planalto, Lula e as centrais conversaram sobre a reforma trabalhista na Espanha, “que recuperou direitos e lidou com a questão da melhora de condições de vida dos trabalhadores de aplicativos”. “Uma das conquistas dos trabalhadores espanhóis foi a obrigação de que as empresas abram os dados e parâmetros dos algoritmos das empresas”, explicou a Presidência, em comunicado.

O governo federal deve apresentar uma proposta de regulamentação do trabalho por aplicativo até o fim deste semestre. O Ministério do Trabalho tem ouvido representantes dos próprios trabalhadores e das plataformas de serviços, especialistas e estudado a legislação de outros países para chegar a um consenso sobre uma proposta que assegure direitos à categoria.

O presidente Lula está em viagem oficial a Europa desde sexta-feira, 21, e desde então cumpriu agenda em Portugal. Nesta terça-feira, ele foi homenageado em uma sessão solene da Assembleia da República Portuguesa. Na sequência, a comitiva brasileira embarcou para Madri, capital da Espanha, onde permanece até amanhã, 26.

Acompanhe tudo sobre:Luiz Inácio Lula da SilvaEmmanuel MacronGuerrasUcrâniaRússia

Mais de Brasil

Base de Canoas passará a ter dez voos por dia, anuncia governo

Paraná Pesquisas: em SP, Nunes tem 28,1%; Boulos, 24,2%; Datena, 12,1%; e Tabata, 9,1%

O que abre e o que fecha em SP no feriado de Corpus Christi

Mais na Exame