Brasil

Haddad anuncia Rita Serrano na presidência da Caixa e Tarciana Medeiros no Banco do Brasil

Indicadas são servidoras de carreira dos bancos; será a primeira vez que o Banco do Brasil terá uma presidente mulher

O futuro ministro da Fazenda, Fernando Haddad, anunciou hoje (19) o nome de Anelize Lenzi para chefiar a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) a partir de 2023 (José Cruz/Agência Brasil)

O futuro ministro da Fazenda, Fernando Haddad, anunciou hoje (19) o nome de Anelize Lenzi para chefiar a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) a partir de 2023 (José Cruz/Agência Brasil)

AA

Alessandra Azevedo

Publicado em 30 de dezembro de 2022 às 12h08.

Última atualização em 30 de dezembro de 2022 às 12h42.

O futuro ministro da Fazenda, Fernando Haddad, confirmou nesta sexta-feira, 30, as escolhidas para presidir o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal. A informação foi confirmada em Brasília, após reunião com o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Rita Serrano ficará na presidência da Caixa e Tarciana Medeiros, na do Banco do Brasil. As duas são servidoras de carreira nos respectivos bancos. As instituições financeiras serão vinculadas ao Ministério da Fazenda a partir de 2023.

Rita Serrano é funcionária da Caixa há 33 anos e já foi presidente do sindicato dos Bancários do ABC Paulista. Tarciana Medeiros está no BB há 22 anos e gerente executiva desde 2019. Será a primeira vez que o Banco do Brasil terá uma presidente mulher.

"Elas conversaram muito com o presidente, conversaram comigo, e estão alinhadas com o plano de governo do presidente Lula, sabem os desafios, a relação de crédito do Brasil, que é muito desafiadora e estão bastante animadas", disse Haddad.

O futuro ministro ainda não anunciou quem ficará à frente da Petrobras. A expectativa é de que o posto seja assumido pelo senador Jean Paul Prates (PT-RN).

LEIA TAMBÉM:

Como será a equipe econômica de Lula

Serrano e Medeiros se juntarão a nomes já anunciados até agora como Marcos Barbosa Pinto (Reformas Econômicas), ex-BNDES e que atuava na iniciativa privada, Guilherme Mello (Política Econômica), professor da Unicamp e economista do PT, além de dois indicados oriundos da gestão de Haddad em São Paulo, Rogério Ceron (Tesouro), Robinson Barreirinhas (Receita Federal), Bernard Appy (Secretaria Especial para Reforma Tributária).

Nesta semana, Haddad anunciou também que Tatiana Rosito comandará a Secretaria de Assuntos Internacionais do Ministério da Fazenda e Fernanda Santiago, servidora de carreira da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), será assessora especial de assuntos jurídicos do ministério.

As atribuições do atual Ministério da Economia serão divididas em mais de uma pasta a partir de 2023. A Fazenda será comandada por Fernando Haddad e o Planejamento ficará com a senadora Simone Tebet (MDB-MS). O vice-presidente eleito Geraldo Alckmin (PSB) será ministro da Indústria e Comércio.

Lula indicou para a presidência do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) o ex-ministro Aloizio Mercadante.

Veja a lista completa de ministros do próximo governo.

 

Acompanhe tudo sobre:Fernando HaddadGoverno Lula

Mais de Brasil

Pacheco diz que decisão do STF sobre maconha invade competência do Congresso

Enchentes no RS: Leite pede a Haddad recomposição das perdas com a arrecadação de impostos no estado

Justiça de SP proíbe GCM de usar balas de borracha e bombas contra usuários de drogas na cracolândia

Governo vai liberar R$ 100 milhões para combate a incêndios no Pantanal

Mais na Exame