Acompanhe:

Guarda Civil bloqueia ruas da cracolândia

Policias vistoriaram bolsas e sacolas de pedestres que queriam passar pela região, na tentativa de controlar a entrada de drogas

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Rua Helvétia: somente viaturas da Polícia Militar e da GCM e caminhões de limpeza da Prefeitura puderam circular
 (Eduardo Tavares/EXAME.com)

Rua Helvétia: somente viaturas da Polícia Militar e da GCM e caminhões de limpeza da Prefeitura puderam circular (Eduardo Tavares/EXAME.com)

J
Juliana Diógenes

Publicado em 2 de maio de 2015 às, 09h27.

São Paulo - Dois dias após operação que acabou com a "favelinha" - barracas armadas pelos usuários de crack - na cracolândia, a Prefeitura montou ontem bloqueios nas principais vias da área e a Guarda Civil Metropolitana vistoriou bolsas e sacolas de pedestres que queriam passar pela região, na tentativa de controlar a entrada de drogas.

Para impedir a passagem de veículos, cones foram colocados na esquina das Alamedas Dino Bueno e Cleveland e uma faixa zebrada entre a Cleveland e a Rua Helvétia, próximo da Praça Júlio Prestes. Somente viaturas da Polícia Militar e da GCM e caminhões de limpeza da Prefeitura puderam circular.

Além de fiscalizar sacolas e mochilas de pedestres, a GCM também barrou ao longo do dia a passagem de carrinhos de supermercado, carroças e qualquer outro material que pudesse ser usado para a remontagem das barracas.

O Estado presenciou a recusa de um homem à revista da mochila pelos guardas-civis metropolitanos. O GCM chegou a retirar a arma de choque da cintura no momento da abordagem, mas o rapaz acabou cedendo.

Segundo o inspetor da GCM, Donizete da Cruz, comandante da operação, não há previsão para a liberação das vias. "As principais entradas foram bloqueadas para que não entrem nem carrinhos nem veículos. Não é para fazer barraco nem moradia de novo", afirmou.

Como estratégia para evitar a volta das barracas e conseguir finalizar as obras de revitalização da Praça Júlio Prestes, a Prefeitura também cercou com tapumes o pedaço antes povoado de dependentes químicos.

Anteontem, apesar da proibição da Prefeitura, era possível ver homens e mulheres empurrando carrinhos de supermercado de um lado para o outro. Questionado, Cruz disse que a GCM "estava tolerando (na quinta)", mas desde ontem "é tolerância zero".

Depois da remoção das barracas da "favelinha", a Guarda Civil Metropolitana dobrou o efetivo na região em relação aos meses anteriores, segundo o comandante Gilson Menezes. A GCM tinha ontem 180 homens na região.

Ação desorganizada

A operação de desmonte da "favelinha" foi feita na quarta-feira. A ação, que estava sendo organizada por Estado e Prefeitura, foi iniciada pela gestão Fernando Haddad (PT) sem aviso prévio.

A Prefeitura alegou que a Polícia Militar não foi chamada para evitar ações violentas ou repressivas, "conforme pactuado com as lideranças locais".

A meta era repetir uma ação de janeiro de 2014, do programa De Braços Abertos, quando 150 moradias de rua foram desmontadas pacificamente pelos próprios moradores. Mas a operação desta semana teve momentos tensos, a PM foi acionada e dois moradores de rua ficaram feridos.

Últimas Notícias

Ver mais
Vai chover em São Paulo? Veja a previsão do tempo
Brasil

Vai chover em São Paulo? Veja a previsão do tempo

Há 8 horas

Descriminalização do porte de drogas para uso pessoal volta à pauta do STF; entenda a ação
Brasil

Descriminalização do porte de drogas para uso pessoal volta à pauta do STF; entenda a ação

Há 3 dias

São Paulo promove nesta sexta-feira Dia D contra a Dengue
Brasil

São Paulo promove nesta sexta-feira Dia D contra a Dengue

Há 3 dias

Prefeito de São Paulo bate boca com moradores em vistoria de obra na Vila Mariana, na Zona Sul
Brasil

Prefeito de São Paulo bate boca com moradores em vistoria de obra na Vila Mariana, na Zona Sul

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais