Brasil

Greve na USP: professores encerram paralisação após carta de compromissos da reitoria

A decisão foi tomada em assembleia geral, horas depois de a reitoria da USP publicar uma carta com compromissos que serão adotados para atender às reivindicações dos estudantes

Funcionários, professores e alunos das universidades estaduais paulistas protestam em frente ao portão principal da USP (Marcello Casal Jr/Agência Brasil) (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Funcionários, professores e alunos das universidades estaduais paulistas protestam em frente ao portão principal da USP (Marcello Casal Jr/Agência Brasil) (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 11 de outubro de 2023 às 09h01.

Os professores da Universidade de São Paulo (USP) votaram na noite desta terça-feira, 10, para sair da paralisação que vem suspendendo as atividades acadêmicas da instituição há três semanas.

A decisão foi tomada em assembleia geral, horas depois de a reitoria da USP publicar uma carta com compromissos que serão adotados para atender às reivindicações dos estudantes, que continuam em greve desde o último dia 20.

Em carta à reitoria publicado depois da assembleia, os professores, por meio da Associação dos Docentes da USP (Adusp) reconhecem que as negociações com a reitoria "promoveram avanços", como o anúncio da contratação de mais docentes - uma das principais pautas do movimento estudantil -, a garantia de que a USP não vai fechar nenhum curso por falta de profissionais e também a promessa de que nenhum dos grevistas sofrerá represálias em virtude dos protestos.

No entanto, os professores identificaram também que, "mesmo com os reconhecidos avanços, ainda há aspectos que podem comprometer a solução de problemas relacionados à falta de docentes", afirmaram na carta.

Entre os aspectos elencados pelos professores estão: a admissão automática de profissionais para preencher as vagas de docentes aposentados, exonerados e falecidos, e que em processos seletivos também sejam reservadas vagas de docência para pessoas pretas, pardas e indígenas, além de respeitarem a paridade de gêneros e a inclusão de pessoas trans.

Eles declaram ainda apoiar a greve dos estudantes, e defendem que mobilizações devem continuar, como um "envio de carta à Reitoria contendo balanço dos avanços obtidos pelo movimento estudantil, apontando a persistência de problemas que devem ser sanados e instando a Reitoria a receber a Adusp".

Mesmo com a saída dos docentes da greve, os estudantes permanecem mobilizados e terão uma assembleia geral nesta quarta-feira, 11, para definir se continuam paralisados ou não.

Na tarde desta terça, o reitor da USP, Carlos Gilberto Carlotti Junior, fez um pronunciamento para apresentar a lista de 24 compromissos que a reitoria vai assumir em resposta às demandas que foram levantadas pelos estudantes durante a greve. Entre eles estão a contratação de 1.027 novos professores e o aumento no número de bolsas disponíveis para ajudar na permanência de estudantes de baixa renda na universidade.

Segundo ele, as 1.027 novas vagas para professores "representam o maior programa de contratação já realizado numa universidade brasileira" e a ampliação das bolsas mostra a "boa vontade" da reitoria em negociar. "Então, vamos voltar às aulas, às pesquisas e às nossas rotinas, é isso que a sociedade espera de nós", pediu Carlotti. "No nosso brasão está escrito: com a ciência, vencerá. Com a ciência, o conhecimento e o diálogo, a USP vencerá."

Pedro Chiquitti, estudante de História e diretor do Diretório Central Estudantil da USP (DCE), disse ao Estadão que, embora o documento represente uma "vitória concreta" da greve dos alunos, os compromissos da reitoria ainda estão distantes do almejado pelos manifestantes.

"Uma demanda que a gente tinha era o aumento do valor do auxílio permanência, que é de R$ 800, e o fim do teto de bolsas. A reitoria se baliza na distribuição das bolsas que ela mesma definiu e não de acordo com a necessidade dos estudantes. A gente queria o fim desse teto para que todo estudante que precisasse desse auxílio pudesse recebê-lo e não ficasse refém desse teto", disse Chiquitti, que considerou as 1.027 contratações de professores um número "enxuto".

Greve

A greve foi aprovada na FFLCH em 20 de setembro e ganhou a adesão de outras faculdades com o passar dos dias, inclusive de unidades como a Escola Politécnica (Poli-USP) e Faculdade de Medicina.

Os alunos ocuparam os prédios das faculdades e passaram a controlar o acesso desses espaços por meio de piquetes com a intenção de impedir que professores e alunos contrários ao movimento realizassem as aulas normalmente. Estudantes e docentes que não apoiam a greve relataram que sofreram ameaças em virtude do posicionamento divergente dos manifestantes.

Por que os alunos da USP entraram em greve?

A greve foi aprovada na FFLCH em 20 de setembro e ganhou a adesão de outras faculdades com o passar dos dias, inclusive de unidades como a Escola Politécnica (Poli-USP) e Faculdade de Medicina. A categoria dos docentes também decidiu, em assembleia cruzar os braços e se juntar aos estudantes no movimento.

Os alunos ocuparam os prédios das unidades e passaram a controlar o acesso por meio de piquetes. A intenção era impedir que professores e alunos contrários ao movimento realizassem as aulas normalmente. Estudantes e docentes que não apoiam a greve relataram ao Estadão que sofreram ameaças em virtude do posicionamento divergente.

Durante o período, os grevistas travaram negociações com a reitoria e com as diretorias de cada faculdade. Na semana passada, a USP chegou a anunciar a liberação de mais 148 novas vagas para contratação de professores, adicionais às 879 que já tinham sido aprovadas para diferentes unidades.

Os manifestantes, porém, afirmam que não é necessário apenas abrir vagas, mas também rediscutir as formas de admissão dos novos profissionais. Segundo eles, um mecanismo que fazia a reposição automática dos professores que são exonerados, que se aposentam ou que falecem não está mais vigente, o que torna frágil a manutenção da categoria.

"O número de docentes (que serão contratados) apresentado pela reitoria é uma proposta interessante que consideramos um avanço. Mas, sem a gente debater essa política de contratação fica difícil garantir que a reposição que teremos agora não será perdida nos próximos anos", disse ao Estadão Amanda Coelho, diretora do Centro Acadêmico do curso de Letras.

Acompanhe tudo sobre:GrevesUSPFaculdades e universidades

Mais de Brasil

PL dos jogos de azar será um marco para o turismo e pode movimentar R$ 100 bi, diz relator

Como é calculado o IPVA? Veja a conta

Justiça condena Lula e Boulos por propaganda antecipada em ato de 1º de Maio

Lula diz que deve sancionar PL que legaliza jogos de azar caso seja aprovado no Congresso

Mais na Exame