• AALR3 R$ 20,34 1.40
  • AAPL34 R$ 67,96 -2.78
  • ABCB4 R$ 17,36 4.52
  • ABEV3 R$ 14,11 -0.77
  • AERI3 R$ 3,72 -1.59
  • AESB3 R$ 10,75 0.66
  • AGRO3 R$ 30,95 1.08
  • ALPA4 R$ 20,84 -0.48
  • ALSO3 R$ 19,10 -1.29
  • ALUP11 R$ 26,71 1.17
  • AMAR3 R$ 2,45 4.26
  • AMBP3 R$ 30,53 -2.12
  • AMER3 R$ 23,10 0.65
  • AMZO34 R$ 67,45 -0.34
  • ANIM3 R$ 5,50 -0.72
  • ARZZ3 R$ 81,36 -0.60
  • ASAI3 R$ 15,39 -0.06
  • AZUL4 R$ 21,23 0.00
  • B3SA3 R$ 11,82 2.34
  • BBAS3 R$ 35,68 -0.64
  • AALR3 R$ 20,34 1.40
  • AAPL34 R$ 67,96 -2.78
  • ABCB4 R$ 17,36 4.52
  • ABEV3 R$ 14,11 -0.77
  • AERI3 R$ 3,72 -1.59
  • AESB3 R$ 10,75 0.66
  • AGRO3 R$ 30,95 1.08
  • ALPA4 R$ 20,84 -0.48
  • ALSO3 R$ 19,10 -1.29
  • ALUP11 R$ 26,71 1.17
  • AMAR3 R$ 2,45 4.26
  • AMBP3 R$ 30,53 -2.12
  • AMER3 R$ 23,10 0.65
  • AMZO34 R$ 67,45 -0.34
  • ANIM3 R$ 5,50 -0.72
  • ARZZ3 R$ 81,36 -0.60
  • ASAI3 R$ 15,39 -0.06
  • AZUL4 R$ 21,23 0.00
  • B3SA3 R$ 11,82 2.34
  • BBAS3 R$ 35,68 -0.64
Abra sua conta no BTG

Gleisi Hoffmann diz que terá "benefício da dúvida" no STF

"No voto de Zavaski, ele coloca que não tem certeza dos fatos ocorridos. Portanto, me dá o benefício da dúvida, coisa que eu não tive até agora", diz senadora

	Gleisi Hoffmann: "no voto de Zavaski, ele coloca que não tem certeza dos fatos ocorridos. Portanto, me dá o benefício da dúvida, coisa que eu não tive até agora", diz senadora
 (Pedro França/Agência Senado)
Gleisi Hoffmann: "no voto de Zavaski, ele coloca que não tem certeza dos fatos ocorridos. Portanto, me dá o benefício da dúvida, coisa que eu não tive até agora", diz senadora (Pedro França/Agência Senado)
Por Da RedaçãoPublicado em 27/09/2016 18:40 | Última atualização em 27/09/2016 18:40Tempo de Leitura: 4 min de leitura
A senadora <a href="https://exame.com.br/topicos/gleisi-hoffmann"><strong>Gleisi Hoffmann</strong></a> (PT-PR), que virou ré hoje (27) na <a href="https://exame.com.br/topicos/operacao-lava-jato"><strong>Operação Lava Jato</strong></a>, disse que recebeu “com tristeza” a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de acatar a denúncia contra ela e o marido, o ex-ministro Paulo Bernardo, feita pela Procuradoria-Geral da República. Gleisi disse que a abertura do processo lhe dá “o benefício da dúvida”, que deverá pesar quando o julgamento acontecer.</p>

“Embora eu respeite muito a Justiça do nosso país, devo dizer que recebi com profunda tristeza a aceitação por parte da Segunda Turma [do STF] contra mim e também contra o Paulo. Mas também, no voto do relator Teori Zavaski, ele coloca que não tem certeza dos fatos ocorridos. Portanto, me dá o benefício da dúvida, coisa que eu não tive até agora. E estou ciente de que o Supremo Tribunal Federal vai analisar com profundidade o processo, vai conseguir ver que não há sustentação [para a denúncia]”, disse a senadora em entrevista após a decisão do Supremo.

Gleisi, que foi ministra da Casa Civil no primeiro governo da ex-presidenta Dilma Rousseff, reiterou que é inocente e que não conhece o doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, ligados a ela pela força-tarefa da Lava Jato. Para a senadora, os processos relacionados à Lava Jato estão “muito politizados”.

“Estou dizendo que está politizado esse processo da Lava Jato e está todo mundo muito pressionado, pela própria sociedade. Então, todo mundo tem muito medo de errar, de fazer coisas que não são corretas, e pode ser que acabe exacerbando para outro lado. Não quero fazer aqui nenhum julgamento e não estou fazendo, reitero que respeito o Judiciário, mas tenho profunda tristeza por ter recebido a denúncia”, disse.

Nota

Além de falar com os jornalistas, a senadora também distribuiu nota à imprensa na qual levanta outros pontos sobre o processo que acaba de ser aberto.

Gleisi Hoffmann questiona as delações de Youssef e Costa, que embasam a denúncia, e também a do sócio de Youssef, Antonio Carlos Pieruccini.

“Em sua delação, essa pessoa disse que transportou a suposta propina para minha campanha, em dinheiro, de São Paulo para Curitiba, em quatro viagens. Ele afirmou ainda que entregou a quantia para o empresário Ernesto Kugler, que sempre negou o fato”, diz a nota.

Kugler também virou réu hoje no mesmo processo contra a senadora e Paulo Bernardo. “Se Pieruccini esteve realmente quatro vezes com o empresário, por que a Polícia Federal não obteve provas físicas desses encontros? A bem da verdade, a denúncia sequer aponta qualquer ato concreto cometido. Baseia-se apenas em especulações que não são compatíveis com o que se espera de uma acusação penal”, argumenta a senadora no texto.

Segundo Gleisi, “são inúmeras as contradições nos depoimentos dos delatores”, o que tira a credibilidade da denúncia. A senadora aponta que um dos delatores mudou sua versão “nada menos que seis vezes”, o que comprovaria que os fatos relatados por ele “não existiram”.

Denúncia

Com a decisão de hoje da Segunda Turma do STF, Gleisi Hoffmann e Paulo Bernardo viraram réus em processo por corrupção e lavagem de dinheiro.

Em maio, o casal foi denunciado ao Supremo sob a acusação de ter recebido R$ 1 milhão para a campanha da senadora em 2010. De acordo com depoimentos de delatores na Lava Jato, o valor é oriundo de recursos desviados de contratos da Petrobras.

Os ministros seguiram o voto do relator, ministro Teori Zavascki, segundo o qual a denúncia descreveu a conduta individual dos acusados e indicou que Paulo Bernardo solicitou o pagamento ao ex-diretor, que determinou a Youssef a entrega dos recursos, por meio de uma pessoa interposta.