Brasil

Gilmar: Zambelli deve depor imediatamente

Caberá ao Ministério Público investigar a parlamentar após ela ter sacado uma arma e perseguido um homem em São Paulo, na véspera do segundo turno

Carla Zambelli: na quinta-feira, a assessoria de Zambelli divulgou nota informando que ela estava nos Estados Unidos. (Najara Araújo/Agência Câmara)

Carla Zambelli: na quinta-feira, a assessoria de Zambelli divulgou nota informando que ela estava nos Estados Unidos. (Najara Araújo/Agência Câmara)

E
Estadão Conteúdo

6 de novembro de 2022, 09h05

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, determinou que a deputada Carla Zambelli (PL-SP) seja ouvida imediatamente pela Procuradoria-Geral da República. Caberá ao Ministério Público investigar a parlamentar após ela ter sacado uma arma e perseguido um homem em São Paulo, na véspera do segundo turno.

O depoimento foi solicitado pela própria PGR. Gilmar entendeu que os possíveis crimes vinculados à conduta da parlamentar precisam ser apurados sob supervisão do Supremo. Como deputada federal, Zambelli tem foro privilegiado na Corte.

No despacho que determina a oitiva, Gilmar defendeu uma investigação do caso com um “ritmo adequado” por causa da relevância do episódio. O ministro citou possíveis crimes de porte ilegal e disparo de arma de fogo e “infrações penais contra a liberdade pessoal, a honra ou a vida dos envolvidos”. Zambelli declarou que foi agredida e agiu em legítima defesa.

VIAGEM

Na quinta-feira, a assessoria de Zambelli divulgou nota informando que ela estava nos Estados Unidos. A deputada teve as contas nas redes sociais suspensas após incentivar o bloqueio de rodovias em protesto à vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Segundo Gilmar, a deputada e a PGR precisarão providenciar os meios processuais e o formato do depoimento com “soluções tecnológicas”, “sob pena de revelia e de prosseguimento das apurações independentemente dos esclarecimentos a serem prestados pela parlamentar”.

A assessoria de Zambelli disse que não houve conduta ilegal por parte da deputada. “Tão logo intimada, Carla estará à disposição para prestar esclarecimentos.”

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.