Fernando Henrique deixa presidência da fundação que leva seu nome

Ex-chanceler Celso Lafer assume o cargo da entidade criada em 2004
 (Nacho Doce/Reuters)
(Nacho Doce/Reuters)
Por Agência O GloboPublicado em 29/04/2022 19:19 | Última atualização em 29/04/2022 19:45Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, de 90 anos, anunciou nesta sexta-feira que deixou a presidência da fundação que tem o seu nome, criada em 2004. O cargo passará a ser ocupado pelo ex-ministro das Relações Exteriores Celso Lafer, escolhido pelo próprio FH.

Fernando Henrique, que governou o Brasil por dois mandatos entre 1995 e 2002, passará a ocupar a presidência de honra da entidade.

O comunicado em que anuncia a decisão de FH destaca que a trajetória de Lafer "se entrelaça à de Fernando Henrique Cardoso" e que a escolha de seu nome "recebeu o apoio unânime dos conselheiros pela afinidade que tem com os valores e com a missão da instituição".

Fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Assine a EXAME

A Fundação Fernando Henrique Cardoso reúne o acervo privado do ex-presidente, além de ser um reconhecido think thank nas áreas de ciência política e políticas públicas. A instituição "carrega a marca do intelectual e político dedicado à compreensão da realidade brasileira" que é o ex-presidente, segundo o comunicado.

A Fundação FHC também anunciou a entrada de quatro novos membros em seu conselho curador, cuja função é determinar as estratégias de ação da entidade e aprovar sua programação e seus demonstrativos contábeis.

Ingressaram no conselho o investidor e ex-presidente do Banco Central Arminio Fraga, a especialista em segurança pública Ilona Szabó, a ex-ministra do Meio Ambiente Izabella Teixeira e José Olympio Pereira, presidente do banco Credit Suisse no Brasil.

"Todos os quatro são profissionais reconhecidos, dentro e fora do Brasil, em suas áreas de atuação e aportam à Fundação uma combinação variada e rica de experiências na vida pública, no setor privado e na sociedade civil", diz o documento.