Acompanhe:

Esterilização voluntária: Senado reduz idade mínima e dispensa aval do cônjuge

PL estabelece que o procedimento poderá ser feito na mulher logo após o parto

Modo escuro

Continua após a publicidade
Aprovado pela Câmara em março, o texto também exclui da legislação a necessidade de consentimento expresso de ambos os cônjuges (Jose Luis Pelaez/Getty Images)

Aprovado pela Câmara em março, o texto também exclui da legislação a necessidade de consentimento expresso de ambos os cônjuges (Jose Luis Pelaez/Getty Images)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 10 de agosto de 2022 às, 17h14.

O Senado aprovou nesta quarta-feira, 10, o projeto de lei (PL) que diminui de 25 para 21 anos a idade mínima para autorização da esterilização voluntária. Aprovado pela Câmara em março, o texto também exclui da legislação a necessidade de consentimento expresso de ambos os cônjuges para o procedimento. A matéria vai à sanção presidencial.

De autoria da deputada Carmen Zanotto (Cidadania-SC), o PL estabelece que o procedimento poderá ser feito na mulher logo após o parto. Atualmente, regulamentação do Ministério da Saúde proíbe a laqueadura durante períodos de parto, aborto ou até o 42º dia após esses procedimentos, exceto em casos de comprovada necessidade. De acordo com o texto, a oferta de qualquer método e técnica de contracepção deve ser feita no prazo máximo de 30 dias.

A relatora, senadora Nilda Gondim (MDB-PB), orientou pela aprovação da proposta e defendeu a esterilização cirúrgica. Trata-se de método contraceptivo permanente, considerado um dos mais efetivos em homens e mulheres e com baixa incidência de falhas. "Nesse sentido, somos favoráveis, pois a proposta visa facilitar o acesso de homens e mulheres à contracepção definitiva. Especificamente a respeito das mulheres, além de evitar a gravidez de forma efetiva, o método reduz o risco de doença inflamatória pélvica, de gravidez ectópica e pode prevenir o câncer de ovário, segundo alguns estudos."

O senador Guaracy Silveira (Avante-TO) se posicionou contrário ao trecho da lei que exclui a necessidade de autorização do marido para realizar o uso de contraceptivos. Guaracy alegou que o mecanismo seria "ponte de discórdia" nos casamentos. "Essa casa não deve criar de maneira nenhuma pontos de discórdia nas famílias, e arriscar criar inconstitucionalidade com a retirada desse artigo da legislação."

"A harmonia nas famílias tem que ser dos dois lados. A mulher precisa avisar ao seu marido, mas ela tem o direito de decidir o seu posicionamento e sua vida. Então ela tem a última decisão. Isso não vai causar desarmonia nas famílias", rebateu a relatora.

Veja também:

De R$ 197 a R$ 24 milhões: o patrimônio declarado dos candidatos a presidente da República

Senado aprova acúmulo de saldo de telefonia não utilizado

Últimas Notícias

Ver mais
Votação de projeto que proíbe cobrança por escolha de assento em aviões é adiada
Brasil

Votação de projeto que proíbe cobrança por escolha de assento em aviões é adiada

Há 15 horas

Mitch McConnell deixará cargo de líder republicano no Senado dos EUA
Mundo

Mitch McConnell deixará cargo de líder republicano no Senado dos EUA

Há 17 horas

Governo mantém reoneração da folha de pequenos municípios e revolta prefeitos
Brasil

Governo mantém reoneração da folha de pequenos municípios e revolta prefeitos

Há 21 horas

Comissão do Senado aprova marco legal para os jogos eletrônicos
Brasil

Comissão do Senado aprova marco legal para os jogos eletrônicos

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais