Brasil

Segue em 151 número de mortos devido às fortes chuvas no RS; veja serviços parados

Ao todo, 806 pessoas estão feridas por conta dos temporais e mais de 2 milhões foram afetadas

Chuvas no RS: 151 mortes já foram confirmadas

Chuvas no RS: 151 mortes já foram confirmadas

Rebecca Crepaldi
Rebecca Crepaldi

Repórter de finanças

Publicado em 16 de maio de 2024 às 09h51.

Última atualização em 16 de maio de 2024 às 18h25.

Tudo sobreEnchentes no RS
Saiba mais

A Defesa Civil do Rio Grande do Sul (RS) divulgou, em novo levantamento às 12h desta quinta-feira, 16, que o número de mortos devido às fortes chuvas que se alastram no segue em 151. Já o número de pessoas desaparecidas se mantém em 104. Ao todo, 806 pessoas estão feridas por conta dos temporais e mais de 2 milhões foram afetadas.

Governo gaúcho pede que população evite 'turismo de desastre' em meio a enchentes no RS

Veja o balanço

  • Municípios afetados: 461
  • Pessoas em abrigos: 77.199
  • Desalojados: 540.192
  • Afetados: 2.281.830
  • Feridos: 806
  • Desaparecidos: 104
  • Óbitos confirmados: 151
  • Óbitos em investigação*: 0
  • Pessoas resgatadas: 76.620
  • Animais resgatados: 11.932

*Está sendo apurado se as mortes têm relação com os eventos meteorológicos.

Transporte

  • Viaturas: 4.105
  • Aeronaves: 20
  • Embarcações: 287

Nível dos rios às 17h (16/5)

  • Lago Guaíba - Porto Alegre – 4,86 metros (cota inundação 3,00 Centro; 2,10 Ilhas)
  • Rio dos Sinos - São Leopoldo - 6,87 metros (cota inundação 4,50)
  • Rio Gravataí - Passo das Canoas - 5,78 metros (cota inundação 4,75)
  • Rio Taquari - Muçum – 5,95 metros (cota inundação 18,00)
  • Rio Caí - Feliz – 3,18 metros (cota inundação 9,00)
  • Rio Uruguai - Uruguaiana – 10,95 metros (cota inundação 8,50)
  • Lagoa dos Patos - São Lourenço do Sul – 2,80 metros (cota inundação 1,30)

Cascão, da Turma da Mônica, entra na água para incentivar doações ao RS

Energia elétrica, água e telefonia

  • CEEE Equatorial: 119.810 pontos sem energia elétrica (6.6% do total de clientes);
  • RGE Sul: 123.200 pontos sem energia elétrica (4% do total de clientes);
  • Corsan: 129.977 clientes sem abastecimento de água (4% do total de clientes);
  • Tim: Serviço normalizado;
  • Vivo: 5 municípios sem serviços de telefonia e internet;
  • Claro: Serviço normalizado.

Com colapso nos transportes no RS, empresas dão férias coletivas e alongam prazos de entrega

Panorama nas escolas estaduais

Dados das escolas afetadas (danificadas, servindo de abrigo, com problemas de transporte, com problema de acesso e outros):

  • 1.058 escolas
  • 248 municípios
  • 29 CREs
  • 378.887 estudantes impactados
  • 552 escolas danificadas com 212.880 estudantes matriculados
  • 89 escolas servindo de abrigo

Situação das escolas por CRE

Retomada das aulas

CREs que retornaram ainda no dia 7 de maio:

  • Caxias do Sul (4ª CRE)
  • Santa Cruz do Sul (6ª)
  • Passo Fundo (7ª)
  • Santa Maria (8ª)
  • Cruz Alta (9ª)
  • Uruguaiana (10ª)
  • Osório (11ª)
  • Bagé (13ª)
  • Santo Ângelo (14ª)
  • Erechim (15ª)
  • Bento Gonçalves (16ª)
  • Santa Rosa (17ª)
  • Santana do Livramento (19ª)
  • Palmeira das Missões (20ª)
  • Três Passos (21ª)
  • Vacaria (23ª)
  • Soledade (25ª)
  • São Luiz Gonzaga (32ª)
  • São Borja (35ª)
  • Ijuí (36ª)
  • Carazinho (39ª)

Rodovias

As chuvas que atingiram o Estado provocam danos e alterações no tráfego nas rodovias estaduais gaúchas. Atualmente, são 94 trechos com bloqueios totais e parciais em 51 rodovias, entre estradas, pontes e balsas. As informações são do Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer), consolidadas com o Comando Rodoviário da Brigada Militar (CRBM), abrangendo também rodovias concedidas e as administradas pela Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR).

A Secretaria de Logística e Transportes (Selt) trabalha para desobstruir as rodovias o mais rápido possível, de maneira a garantir o tráfego de veículos e pedestres. Veja a seguir a situação de cada rodovia atingida.

Mapa interativo do governo do RS sobre bloqueios em estradas

Portos e aeroportos

As chuvas e enchentes que atingem o Estado destruíram boa parte da infraestrutura de estradas do Rio Grande do Sul. Por isso, portos e aeroportos formam corredores de transporte fundamentais nesse momento, trazendo socorro e garantindo o abastecimento das regiões atingidas.

Confira a situação dos três portos e dos principais aeroportos regionais que operam no Rio Grande do Sul.

Aeroportos

  • Aeroporto Internacional Salgado Filho: a Fraport Brasil, administradora do terminal, informa que as operações no Porto Alegre Airport seguem suspensas por tempo indeterminado. A orientação aos passageiros é para que entrem em contato com a sua companhia aérea para mais informações sobre os seus voos.

Dos oito aeroportos administrados pelo governo do Estado, sete operam normalmente:

  • Capão da Canoa
  • Carazinho
  • Erechim
  • Passo Fundo
  • Rio Grande
  • Santo Ângelo
  • Torres
  • Canelas: fechado nesta tarde por conta das condições meteorológicas.
Os aeroportos administrados pela CCR aeroportos operam normalmente: 
  • Bagé
  • Pelotas
  • Uruguaiana
Aeroportos municipais
  • Caxias do Sul: fechado por conta das condições meteorológicas.
  • Santa Cruz do Sul: fechado por conta das condições meteorológicas.

Portos

  • Porto de Porto Alegre - mantém suspensas as operações, em razão da manutenção do nível do Lago Guaíba acima da chamada cota de inundação.
  • Porto de Pelotas - o embarque de toras de madeira segue suspenso e as atividades estão paralisadas no terminal.
  • Porto do Rio Grande - segue operando normalmente.

Travessia para São José do Norte

os serviços de transporte de veículos e de passageiros encontra-se suspenso, em razão do aumento do nível da Laguna dos Patos.

Acompanhe tudo sobre:Rio Grande do SulChuvasEnchentes no RS

Mais de Brasil

O que é um tributo e por que devemos pagá-lo? 

Mendonça é eleito para TSE e elogia gestão de Moraes em meio a 'turbulências'

Em meio às enchentes no RS, Marinha alerta para ressacas com ondas de até 3 metros no litoral gaúcho

Anvisa endurece regras para prescrição de zolpidem por relatos de uso abusivo e efeitos adversos

Mais na Exame