Enchentes levam governo do Acre a decretar emergência em saúde pública

Decreto estabelecendo a emergência em saúde pública foi publicado na sexta-feira, 1º, e vale por 180 dias; nível do Rio Acre atingiu 17,52 metros neste sábado

As enchentes podem trazer diversos riscos sanitários (Pedro Devani/ Secom/Reprodução)

As enchentes podem trazer diversos riscos sanitários (Pedro Devani/ Secom/Reprodução)

Agência Brasil
Agência Brasil

Agência de notícias

Publicado em 3 de março de 2024 às 14h30.

O governo do Acre decretou emergência em saúde pública diante do alto volume de chuvas que afetam o estado desde 21 de fevereiro. As cheias dos rios afetam 19 municípios. Em alguns locais há casas submersas.

Nas cidades de Brasileira e Jordão, por exemplo, o transbordamento registrou máximas históricas. Na capital Rio Branco, o nível do Rio Acre atingiu 17,52 metros neste sábado, 2. É a quinta maior marca da história. O recorde foi registrado no ano de 2015, quando chegou a 18,35 metros.

Redirecionamento de recursos

O decreto estabelecendo a emergência em saúde pública foi publicado na sexta-feira, 1º, e vale por 180 dias. Nesse período, a Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre) terá maior flexibilidade para direcionar recursos com o objetivo de atender demandas de saúde pública. A pasta também fica autorizada a tomar decisões que viabilizem a execução de medidas administrativas consideradas urgentes.

Riscos de saúde

As enchentes podem trazer diversos riscos sanitários. Entre os perigos estão as infecções, como a leptospirose e a dengue. Além disso, a dificuldade de acesso a água e comida pode trazer impactos para a saúde. Da mesma forma, a interrupção de tratamentos nas unidades Básica de Saúde das regiões afetadas gera preocupações adicionais. A longo prazo, os entulhos e destroços gerados aumentam o risco de acidentes com animais peçonhentos, como escorpiões, aranhas e cobras.

Segundo dados do governo acriano, ao menos 11 mil pessoas estão desabrigadas. Os ministros da Integração e Desenvolvimento Regional, Waldez Góes, e do Meio Ambiente e Mudança do Clima, Marina Silva, devem visitar as áreas atingidas nos próximos dias.

Acompanhe tudo sobre:AcreChuvas

Mais de Brasil

Brasil bate recorde de conflitos no campo em 2023; indígenas são as maiores vítimas

Ruralistas veem chance de avanço na pauta anti-invasão com imbróglio entre Lira e governo Lula

Calor fora de época atingirá SP e mais regiões do Brasil; veja previsão do tempo

Veja o passo a passo para tirar sua 2 via de conta da Enel

Mais na Exame