Brasil

Após enchentes, bairro no Acre pode ter "virado" território boliviano; entenda

Bairro está localizado na periferia da cidade de Brasiléia e tem cerca de 1,1 mil moradores

Brasiléia: cidade tem uma única ponte que a liga ao resto do Brasil (Prefeitura de Brasiléia/Divulgação)

Brasiléia: cidade tem uma única ponte que a liga ao resto do Brasil (Prefeitura de Brasiléia/Divulgação)

Publicado em 1 de março de 2024 às 07h47.

O trecho do Rio Acre que passa em Brasiléia, cidade acreana na fronteira com a Bolívia, chegou a um nível recorde e inundou 80% do município. Com isso, o bairro Leonardo Barbosa, que é conectado ao resto de Brasileia por apenas uma rua, pode ter ficado inteiro do lado boliviano.

Isso porque o único acesso de Leonardo Barbosa via Brasiléia pode ter sido levado pelas águas do rio. Assim, os moradores podem estar conectados à Bolívia, mas não ao Brasil. Há receio por parte dos locais que a Bolívia reivindique o território.

O bairro está localizado na periferia da cidade e tem cerca de 1,1 mil moradores, segundo a Assistência Social do município. Como o nível do rio continua alto, não é possível verificar por enquanto o que aconteceu com a via.

Não é a primeira vez que Brasiléia sofre com enchentes. Em 2015, moradores já haviam aventado a possibilidade do bairro Leonardo Barbosa ficar do lado boliviano. 

Além disso, segundo comunicado da prefeitura, o "transbordamento do rio atingiu níveis críticos, alcançando mais de 15 metros e impossibilitando o acesso terrestre à cidade através da ponte metálica José Augusto, única via de ligação com outras regiões do Brasil". 

O estado acreano enfrenta uma crise histórica com as cheias. Pelo menos 20 mil pessoas estão desabrigadas e desalojadas, e 17 das 22 cidades do Acre estão em situação de emergência. Há ao menos quatro mortos. 

Acompanhe tudo sobre:AcreEnchentesBolívia

Mais de Brasil

Pacheco adia sessão sobre vetos, governo evita derrotas, e Lira demonstra insatisfação

Rio registra queda de 25% das mortes violentas no primeiro trimestre

Governo quer que Zanin seja relator no STF de ação contra desoneração da folha

Boulos tem 35,6% e Nunes, 33,7%, aponta pesquisa Atlas Intel

Mais na Exame