Acompanhe:

Em Brasília, jornalistas são agredidos com socos e chutes em cobertura de invasão

"Fui cercada, chutada, empurrada, xingada. Quebraram meus óculos, puxaram meu cabelo, tentaram pegar meu celular", escreveu a jornalista Marina Dias

Modo escuro

Continua após a publicidade
Protestos em Brasília: jornalistas alegam ter sido agredidos por bolsonaristas (WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO/Reprodução)

Protestos em Brasília: jornalistas alegam ter sido agredidos por bolsonaristas (WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO/Reprodução)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 9 de janeiro de 2023 às, 09h13.

Repórteres e fotógrafos foram agredidos neste domingo, 8, durante a cobertura dos atos golpistas que depredaram o Palácio do Planalto, o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (STF). Ao menos oito jornalistas sofreram ameaças, tiveram equipamentos quebrados, receberam socos, chutes e empurrões. Houve até cárcere privado.

Um profissional do jornal O Tempo, que pediu para não ter o nome divulgado, fez um relato das agressões. No Senado, ele foi "preso" por apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) por cerca de 30 minutos, teve o celular e a mochila tomados, recebeu chutes, levou tapa na cara e foi ameaçado com armas.

Quer receber os fatos mais relevantes do Brasil e do mundo direto no seu e-mail toda manhã? Clique aqui e cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

"Roubaram meu crachá, quebraram ele. Pegaram minha carteira, pegaram os documentos. Roubaram meu dinheiro, R$ 20. Era só o que eu tinha. Pegaram meu celular. Repetiam a todo momento que eu era 'petista infiltrado'. Eu respondia que não era, que estava ali a trabalho. Foi então que colocaram uma arma na minha cabeça, dizendo que eu ia morrer. Outro apareceu com outra arma, colocada nas minhas costas. E não paravam de me dar tapa na cara xingar", disse o repórter.

Além do jornalista de O Tempo, foram agredidos repórteres da Band e do Washington Post e fotógrafos da Folha de S.Paulo, AFP, Reuters, Poder360 e Metrópoles.

A repórter Marina Dias, que fazia a cobertura para o jornal norte-americano Washington Post, também foi atacada por vândalos que a perseguiram até a garagem do Ministério da Defesa. "Fui cercada, chutada, empurrada, xingada. Quebraram meus óculos, puxaram meu cabelo, tentaram pegar meu celular. É preciso punir essas pessoas. Isso é crime", escreveu Marina no Twitter.

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Distrito Federal e a Federação Nacional de Jornalistas manifestaram seu "mais profundo repúdio aos atos golpistas e terroristas ocorridos neste domingo na Esplanada dos Ministérios e à violência contra profissionais da imprensa, impedidos de realizar seu trabalho com segurança".

A nota diz, ainda, que "todos os acontecimentos em curso são resultado da inoperância do governo do Distrito Federal, de setores da segurança pública e Forças Armadas, que permitiram a escalada da violência e se mostraram coniventes com os grupos bolsonaristas, golpistas, que não respeitam o resultado das eleições, a Constituição e a democracia".

Últimas Notícias

Ver mais
Após demissões em massa no Estado, governo Milei enfrenta protestos e ameaças de greve
Mundo

Após demissões em massa no Estado, governo Milei enfrenta protestos e ameaças de greve

Há 8 horas

Funcionários públicos protestam na Argentina contra demissões em massa
Mundo

Funcionários públicos protestam na Argentina contra demissões em massa

Há um dia

Dia da Mentira: de novo Big Ben a morte de imperador; veja as notícias inventadas no 1º de abril
Pop

Dia da Mentira: de novo Big Ben a morte de imperador; veja as notícias inventadas no 1º de abril

Há 3 dias

Israelenses realizam maior protesto desde início da guerra em Gaza e pedem eleições antecipadas
Mundo

Israelenses realizam maior protesto desde início da guerra em Gaza e pedem eleições antecipadas

Há 4 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais