Eleições: Novo abre mão de R$ 87 milhões do fundo eleitoral

De acordo com o pré-candidato à Presidência Luiz Felipe d'Avila, o Novo vai se manter apenas por doações de pessoas físicas
 (RafaPress/Getty Images)
(RafaPress/Getty Images)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 25/05/2022 10:08 | Última atualização em 25/05/2022 10:09Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O partido Novo anunciou nesta terça, 24, que vai novamente abrir mão dos recursos do fundo eleitoral para financiar as campanhas da sigla em 2022. Os R$ 87,71 milhões a que o partido tem direito ficarão com os cofres públicos. "É para dar o exemplo. Esse é o dinheiro do contribuinte", disse o pré-candidato à Presidência pela legenda, Luiz Felipe d'Avila. Segundo ele, o partido vai se manter apenas por doações de pessoas físicas.

Crítico do financiamento público de campanha, o Novo moveu uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) em fevereiro contra o valor de R$ 4,9 bilhões para o fundo. O STF decidiu pela manutenção do recurso em março. O valor é mais que o dobro do executado nas últimas eleições. Em 2021, as legendas ainda receberam R$ 939 milhões do Fundo Partidário.

Pauta interditada: Congresso deve esvaziar nas próximas semanas

TSE aprova a primeira federação partidária, formada por PT, PCdoB e PV

D'Avila disse acreditar que é possível viabilizar uma campanha eleitoral em três principais frentes: com transporte, produção de vídeos e gráfica de materiais. "Não precisamos de jatinho", afirmou. "Usamos apenas o voo comercial; temos pouco tempo de televisão para vídeos sofisticados e somos um partido composto por jovens que odeiam sujar a cidade com papel de santinho."

O fundo eleitoral foi instituído no Brasil em 2017, dois anos após o STF proibir o financiamento de campanhas políticas por empresas privadas. A nova lei permite que, além do fundo eleitoral, pessoas físicas possam doar até 10% dos rendimentos brutos no ano anterior.

MDB confirma pré-candidatura de Tebet à presidência em meio a crise no PSDB