• AALR3 R$ 20,07 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,92 3.20
  • ABCB4 R$ 16,74 0.30
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,85 5.77
  • AESB3 R$ 10,95 2.34
  • AGRO3 R$ 30,96 0.72
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,24 1.64
  • AMAR3 R$ 2,48 2.90
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 24,11 2.73
  • AMZO34 R$ 66,30 -0.51
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,40 -2.41
  • ASAI3 R$ 16,00 0.25
  • AZUL4 R$ 21,94 3.98
  • B3SA3 R$ 12,15 0.91
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
  • AALR3 R$ 20,07 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,92 3.20
  • ABCB4 R$ 16,74 0.30
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,85 5.77
  • AESB3 R$ 10,95 2.34
  • AGRO3 R$ 30,96 0.72
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,24 1.64
  • AMAR3 R$ 2,48 2.90
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 24,11 2.73
  • AMZO34 R$ 66,30 -0.51
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,40 -2.41
  • ASAI3 R$ 16,00 0.25
  • AZUL4 R$ 21,94 3.98
  • B3SA3 R$ 12,15 0.91
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
Abra sua conta no BTG

Doria prorroga quarentena até 10 de maio em todo o estado de SP

Governador afirmou que ampliação do isolamento social é necessária para evitar mais sobrecarga ao sistema de saúde, que já está próximo do colapso
Doria: São Paulo está sob medidas de isolamento social desde 22 de março (Flickr/Governo do Estado de São Paulo)
Doria: São Paulo está sob medidas de isolamento social desde 22 de março (Flickr/Governo do Estado de São Paulo)
Por Clara CerioniPublicado em 17/04/2020 12:36 | Última atualização em 17/04/2020 18:15Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou que vai prorrogar a quarentena em todo o estado de São Paulo até 10 de maio. A medida foi validada pelo Comitê de Contingência do Coronavírus e vale para os 645 municípios.

Havia a discussão se a ampliação valeria em todo o estado, já que dirigentes vêm recebendo pressões de prefeitos do interior para liberar aberturas parciais do comércio em municípios onde a doença ainda não chegou.

O infectologista David Uip salientou que o "vírus está entrando em todo o interior e no litoral do estado de São Paulo". Ele, que coordena o Centro de Contingência do Coronavírus, disse que divulgará em breve uma nota técnica mostrando a preocupação com essas regiões. "Estamos absolutamente convencidos que São Paulo adota as melhores decisões possíveis".

São Paulo está sob medidas de isolamento social desde 22 de março. Até agora, o governador decretou períodos de 15 dias de quarentena. Somente serviços essenciais estão autorizados a funcionar.

"Aqui nós não brigamos com a ciência, nós respeitamos a ciência. E a orientação da ciência foi para prorrogarmos a quarentena até o dia 10 de maio", disse Doria.

O governador relatou que o isolamento social caiu para 49%, o que preocupa as autoridades, já que o sistema de saúde está próximo do colapso. "Pedimos que fiquem em casa por amor às suas vidas. Neste feriado prolongado de 21 de abril, fique em casa, preserve sua saúde a saúde da sua família", pediu o governador.

Ele citou que, há um mês, havia o primeiro registro de morte no estado. Hoje, já são 853 óbitos em decorrência da doença e os casos estão em expansão.

"As UTIs e enfermarias de hospitais recebem cada dia mais pacientes e já temos hospitais públicos a beira do colapso". A estimativa do governo é que as UTIs estarão lotadas até maio com o avanço da pandemia.

São Paulo é o estado mais atingido pela epidemia do novo coronavírus. Foram 75 mortes nas últimas 24 horas, de acordo com balanço da Secretaria Estadual da Saúde divulgado nesta quinta-feira, 16.

Subnotificação de testes

Segundo o secretário de Saúde, José Henrique Germann, atualmente há uma fila de 9,4 mil exames pendentes. Há uma semana, esse número era de 17 mil testes.

Ele estimou que, com a compra de mais de 700 mil exames, até a semana do dia 24 o estado de São Paulo conseguirá zerar a fila de amostras pendentes.

Ataques ao Congresso

O governador disse, ainda, rechaçar os ataques desferidos contra o Congresso e, em especial, contra o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) feitos pelo presidente Jair Bolsonaro. Para Doria, "quem agride a Câmara, agride a democracia. Quem agride o Legislativo, não respeita o processo democrático".

O governador estendeu a sua solidariedade aos parlamentares que votaram para ampliar o envio recursos aos Estados, ao Senado Federal, seu presidente o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), e ao Poder Judiciário e Supremo Tribunal Federal, que segundo Doria, é "injustamente atacado".

(Com informações do Estadão Conteúdo)