Doada por Trump e sem eficácia comprovada, cloroquina encalha pelo Brasil

Embora não haja comprovação científica sobre a eficácia do medicamento, o presidente Jair Bolsonaro o tem recomendado como forma de enfrentar a pandemia

Aposta do presidente Jair Bolsonaro contra a covid-19, milhões de comprimidos de hidroxicloroquina estão encalhados em armazém do Ministério da Saúde, além de hospitais e municípios em todo o País. O produto foi doado por Donald Trump, ex-presidente dos Estados Unidos, e pela farmacêutica Sandoz. Embora não haja comprovação científica sobre a eficácia do medicamento, o presidente o tem recomendado como forma de enfrentar a pandemia.

Joinville, em Santa Catarina, recebeu, em setembro de 2020, o maior lote entregue pela gestão Eduardo Pazuello na Saúde: 160 mil comprimidos de hidroxicloroquina - de um total de cerca de 3 milhões de unidades estocadas. Mais de cinco meses depois, apenas 1,26 mil comprimidos foram usados (menos de 0,8% do total) e a prefeitura quer devolver o que resta.

O Ministério da Saúde tem cerca de 2,5 milhões de unidades de hidroxicloroquina encalhadas. Encurralado por investigações sobre omissão na pandemia e pressão por recomendar tratamento ineficaz, Pazuello tem dito que jamais recomendou esses medicamentos. Como revelou o Estadão, esta versão chegou a ser apresentada pelo ministro à Polícia Federal, em depoimento dentro de inquérito aberto pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Em resposta via Lei de Acesso à Informação, porém, a Saúde reconhece que o uso da hidroxicloroquina tornou-se prioridade ao tratamento da covid-19 a partir do segundo semestre de 2020. Antes, o governo apostou na cloroquina, antimalárico de composição similar.

A diferença entre um produto e outro é que enquanto a hidroxicloroquina disponível no País foi doada, no caso da cloroquina o governo turbinou a produção própria, por meio do laboratório do Exército.

O Grupo Hospitalar Conceição, de Porto Alegre (RS), vinculado ao ministério, usou 1,2 mil comprimidos em 4 meses. Tem ainda cerca de 18,3 mil e o diretor do grupo, Cláudio Oliveira, também planeja devolver todo o estoque ao governo federal.

A segunda cidade que mais ganhou a hidroxicloroquina é Lages, também em Santa Catarina. O município recebeu 63 mil comprimidos em setembro, e 57 mil unidades continuam encalhadas. Segundo dados do Ministério da Saúde, cerca de 20 municípios e hospitais receberam doação de hidroxicloroquina, mas poucos levaram mais de 10 mil unidades.

Diferentemente de outras cidades, a também catarinense Pinhalzinho (SC) informou que já usou todos os 3 mil comprimidos doados e pediu novo lote a Pazuello. Outras prefeituras não responderam aos questionamentos da reportagem. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.