Acompanhe:

Dino manda PF investigar compra do governo Bolsonaro nunca entregue a indígenas

O caso foi relevado em série de reportagens do Estadão que mostram diversas compras sob suspeita na Funai durante a pandemia de covid-19

Modo escuro

Continua após a publicidade
Dino: O sumiço das bistecas foi confirmado ao Estadão pelos indígenas (FáTIMA MEIRA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/Estadão Conteúdo)

Dino: O sumiço das bistecas foi confirmado ao Estadão pelos indígenas (FáTIMA MEIRA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/Estadão Conteúdo)

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, anunciou nesta terça-feira, 16, que a Polícia Federal (PF) instaurou um inquérito para apurar a compra de 19 toneladas de bistecas congeladas para indígenas no governo Jair Bolsonaro que nunca foram entregues. O caso foi relevado em série de reportagens do Estadão que mostram diversas compras sob suspeita na Funai durante a pandemia de covid-19.

Como mostrou o Estadão, o governo Bolsonaro comprou 19 toneladas de bisteca para compor cestas básicas que deveriam ser enviadas ao Vale do Javari, no Alto Solimões (AM), mas a carne congelada nunca foi de fato entregue às comunidades indígenas. Mesmo se o produto tivesse sido entregue, não haveria local de armazenamento e conservação para acomodar o alimento. Os contratos foram assinados no governo Bolsonaro entre 2020 e 2022 e seguem em vigor na atual gestão do petista Luiz Inácio Lula da Silva.

O sumiço das bistecas foi confirmado ao Estadão pelos indígenas que deveriam receber o produto e por uma das empresas contratadas para entregar a carne. Mislene Metchacuna Martins Mendes, atual diretora de administração e gestão da Funai, que assinou o contrato de compra, admitiu desperdício de dinheiro público na aquisição. Ela afirmou ao jornal que a Funai ignorou alerta dos técnicos sobre os produtos, mas disse que "a ordem era entregar".

A série de reportagens ainda mostra ainda que a gestão passada desrespeitou recomendações técnicas da Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai) e pagou R$ 4,4 milhões para adquirir sardinha enlatada e linguiça calabresa para enviar ao Território Indigena Yanomami no meio de uma crise humanitária. Os alimentos contudo, não são tradicionalmente consumidos pelos indígenas e a falta de hábito do consumo podem gerar doenças.

Nesta terça, o Estadão mostrou ainda que o governo Bolsonaro pagou R$ 260 o quilo da carne de pescoço de frango também para enviar a indígenas. Da mesma forma, não há comprovação de que os alimentos foram entregues.

Contratos

Os contratos da bisteca seguem em vigor no governo Lula. Após as reportagens, a Funai informou que mandou averiguar as compras. O comando da Funai no governo Bolsonaro foi procurado, mas não se manifestou.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Alinhamento com Moraes e Gilmar e voto sobre 8/1: como foi a semana de estreia de Dino no STF
Brasil

Alinhamento com Moraes e Gilmar e voto sobre 8/1: como foi a semana de estreia de Dino no STF

Há um dia

Operação Lesa Pátria: PF deflagra nova fase com 34 mandados judiciais contra financiadores do 8/1
Brasil

Operação Lesa Pátria: PF deflagra nova fase com 34 mandados judiciais contra financiadores do 8/1

Há 2 dias

Com voto de Dino, STF mantém decisão que reverteu condenação de R$ 37,8 bi contra Petrobras
Brasil

Com voto de Dino, STF mantém decisão que reverteu condenação de R$ 37,8 bi contra Petrobras

Há 4 dias

Advogados de Bolsonaro negam confissão sobre minuta de golpe
Brasil

Advogados de Bolsonaro negam confissão sobre minuta de golpe

Há 4 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais