Brasil

Desigualdade de renda cai ao menor patamar nos últimos dez anos no Brasil

Queda refletiu os efeitos do pagamento de benefícios sociais a partir da pandemia do coronavírus

Desigualdade social: moradores de rua no Centro de São Paulo (Jorge Araujo/Fotos Públicas)

Desigualdade social: moradores de rua no Centro de São Paulo (Jorge Araujo/Fotos Públicas)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 6 de dezembro de 2023 às 13h39.

Última atualização em 6 de dezembro de 2023 às 13h57.

Os números da "Síntese de Indicadores Sociais" (SIS), divulgada nesta quarta-feira pelo IBGE, mostram que a desigualdade de renda no Brasil é a menor dos últimos dez anos.

O Índice de Gini, que mede a distribuição dos ganhos pela população numa escala de zero a 1 e, quanto menor, melhor, ficou em 0,518 em 2022, último ano do governo do ex-presidente Jair Bolsonaro. É o menor Gini desde 2012, quando começou a atual série histórica desta pesquisa.

Os números refletem, principalmente, os efeitos do pagamento de benefícios sociais a partir da pandemia do coronavírus. Em 2018, último ano do governo Temer, o Gini era de 0,545. No ano seguinte, ficou praticamente estagnado, em 0,544.

Em 2020, primeiro ano da pandemia, quando foi criado o Auxílio Emergencial, o Gini caiu para 0,524, refletindo também uma perda de renda das famílias de classe média e dos mais ricos diante das quarentenas necessárias para conter o avanço da Covid. Foram pagas ao todo cinco parcelas de R$ 600 de Auxílio Emergencial e outras quatro de R$ 300.

No ano seguinte, quando os valores do Auxílio Emergencial caíram para entre R$ 150 e R$ 375, o Índice de Gini voltou a subir, para 0,544 – exatamente o mesmo de antes da pandemia.

Mas em 2022, quando foi criado o Auxílio Brasil, o Gini caiu com força. Em agosto, às vésperas das eleições presidenciais, o pagamento foi reajustado para R$ 600, patamar que foi mantido por Lula ao retomar o Bolsa Família.

Para medir os impactos dos benefícios sociais, o IBGE calculou qual teria sido o Índice de Gini das famílias brasileiras sem os valores desses programas. Considerando apenas os demais ganhos da família – ou seja, basicamente os rendimentos do trabalho e de aposentadoria, além de outros como aluguel – a desigualdade também teria caído em 2022, porém num ritmo mais lento, para 0,548.

A estimativa mostra ainda que a desigualdade teria subido com força na pandemia, alcançando 0,573 em 2020.

Nessa série histórica, o menor patamar de desigualdade quando se exclui os efeitos de programas sociais foi em 2015, último ano do governo da ex-presidente Dilma Rousseff.

Os números mostram uma queda contínua na desigualdade considerando todos os rendimentos exceto o de benefícios sociais entre 2012 e 2015. A partir de 2016, o Gini nesse levantamento sobe continuamente até 2020. Mas depois volta a cair em 2021 e 2022.

Acompanhe tudo sobre:Desigualdade socialDilma RousseffJair BolsonaroIBGEAuxílio BrasilAuxílio emergencial

Mais de Brasil

RS: eleitor tem até quinta-feira para regularizar ou transferir título

Governo flexibiliza Lei de Licitações para casos de calamidade como o Rio Grande do Sul

Sobe para 157 número de mortos devido às fortes chuvas no RS; veja serviços parados

Fortes chuvas devem atingir Sul e Nordeste; RS deve enfrentar frio intenso

Mais na Exame