Brasil

DEM, partido de Maia, deixa de apoiar Baleia Rossi na véspera da eleição à presidência da Câmara

Procurado, Maia avaliou que a decisão não interfere na candidatura de Baleia porque "os votos já estavam cristalizados"

Deputado Baleia Rossi (MBD-SP): a eleição para presidência da Câmara acontece na próxima segunda-feira, 1º, a partir das 19h (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Deputado Baleia Rossi (MBD-SP): a eleição para presidência da Câmara acontece na próxima segunda-feira, 1º, a partir das 19h (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

AO

Agência O Globo

Publicado em 31 de janeiro de 2021 às 21h59.

A um dia da eleição, o DEM, partido do atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ), decidiu abandonar o bloco do candidato apoiado por ele, deputado Baleia Rossi (MDB-SP), na disputa pelo comando da Casa. Em nota, a sigla anunciou que vai liberar a bancada na votação.

"Em reunião realizada neste domingo, 31, a Executiva Nacional do Democratas decidiu assumir postura de independência no processo de eleição da Mesa Diretora da Câmara, sem a formalização de apoio a nenhum dos blocos", disse a sigla no texto.

Ainda de acordo com a nota, a definição foi tomada "pela unanimidade dos membros da Executiva, visando a preservação da unidade partidária".

Ao GLOBO, o líder da bancada, Efraim Filho (PB), afirmou que ele e pelo presidente da sigla, ACM Neto, fizeram uma "avaliação de cenário" e concluíram que a independência seria o melhor encaminhamento neste momento.

Procurado, Maia avaliou que a decisão não interfere na candidatura de Baleia porque "os votos já estavam cristalizados".

"Prevaleceu a posição histórica de um partido de direita. Trabalhamos pra trazê-lo caminho de centro mas a natureza de direita prevaleceu", reagiu Maia.

Acompanhe tudo sobre:Câmara dos DeputadosDemocratas (DEM)Rodrigo Maia

Mais de Brasil

Câmara aprova a Lei Taylor Swift, que criminaliza cambismo digital

CCJ do Senado aprova projeto que prorroga por 10 anos as cotas para negros em concurso

Pacheco adia sessão sobre vetos, governo evita derrotas, e Lira demonstra insatisfação

Rio registra queda de 25% das mortes violentas no primeiro trimestre

Mais na Exame