Acompanhe:

Câmara e Senado decidem nesta segunda quem serão os próximos presidentes

Na Câmara, disputa está entre Arthur Lira (PP-AL) e Baleia Rossi (MDB-SP). No Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) compete com Simone Tebet (MDB-MS)

Modo escuro

Continua após a publicidade
Congresso Nacional: Câmara e Senado realizam eleições nesta segunda-feira (Paulo Whitaker/Reuters)

Congresso Nacional: Câmara e Senado realizam eleições nesta segunda-feira (Paulo Whitaker/Reuters)

A
Alessandra Azevedo, de Brasília

Publicado em 1 de fevereiro de 2021 às, 06h00.

Última atualização em 1 de fevereiro de 2021 às, 08h19.

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

Depois de semanas de campanha, as eleições para a presidência da Câmara e do Senado acontecem nesta segunda-feira, 1º de fevereiro. Primeiro, os senadores votarão entre os cinco candidatos postos, a partir das 14h. À noite, a partir das 19h, é a vez dos deputados, que precisarão escolher entre oito nomes. Os vencedores comandarão as Casas pelos próximos dois anos e serão responsáveis pelo andamento de pautas importantes, como reformas e auxílio emergencial.

O presidente Jair Bolsonaro conta com a vitória dos aliados: Rodrigo Pacheco (DEM-MG), no Senado, e Arthur Lira (PP-AL), na Câmara. Os dois disputam as cadeiras hoje ocupadas, respectivamente, pelo senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) e pelo deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ). Os principais adversários, que se colocam como nomes independentes de ingerência do Executivo, estão Simone Tebet (MDB-MS), no Senado, e Baleia Rossi (MDB-SP), na Câmara.

Entre os deputados, a disputa está acirrada e deve ir para um segundo turno de votação. Para conseguir vencer no primeiro, são necessários 257 votos do total de 513 deputados — maioria absoluta. Como os votos são secretos, a eleição deve ser marcada por traições de ambos os lados, o que dificulta a previsão de contagem de votos de acordo com o número de bancadas que apoiam cada candidato. 

A campanha foi marcada por trocas de farpas e acusações de interferência do Executivo. Para Baleia e Maia, Lira é o candidato governista que pode desenterrar pautas de costume, relacionadas à flexibilização do uso de armas, por exemplo. Segundo Maia, é para isso que Bolsonaro tem se engajado tanto em conseguir votos para o candidato do PP, líder do partido e do Centrão. 

Diante de ameaças de impeachment, o presidente da República tenta blindar o mandato com a eleição de nomes aliados. Já Lira considera a candidatura de Baleia como uma tentativa de extensão da gestão de Maia, que, na visão dele, engessa pautas na Câmara e não dá espaço para todos os deputados. Ele afirma que, se for eleito, será um presidente mais acessível e aberto ao diálogo. 

No Senado, o preferido é Rodrigo Pacheco. O candidato de Bolsonaro e Alcolumbre conseguiu recentemente até o apoio do MDB, que, até poucos dias atrás, bancava a candidatura de Simone Tebet. Com o desembarque do partido, a senadora resolveu concorrer por conta própria, como candidata independente. Ela continua sendo a maior adversária de Pacheco.

Propostas

A julgar pelas declarações públicas, as propostas que devem andar de início, com a eleição de qualquer um deles, não devem ser muito diferentes. Na Câmara, tanto Lira quanto Baleia defendem a agenda econômica, com falas a favor de reformas e respeito ao teto de gastos. Os dois também já deixaram claro que não são a favor de instalar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a atuação do governo durante a pandemia do novo coronavírus.

Para Lira, a prioridade deve ser a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) Emergencial, que cria gatilhos em casos de ameaça de descumprimento do teto. O texto, entretanto, está no Senado e só depois passará pelo crivo dos deputados. O candidato do PP também é defensor da reforma administrativa, enviada em 2020 pelo governo para reestruturar o serviço público. A proposta prevê, entre outros pontos, o fim da estabilidade para a maioria dos cargos públicos.

Baleia também é defensor da PEC Emergencial e Maia tem dito reiteradamente que ela precisa ser aprovada antes mesmo da votação da Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2021, prevista para ser a primeira e mais urgente matéria colocada em pauta no Congresso com a volta dos trabalhos legislativos. O candidato do MDB considera que a reforma tributária, da qual ele mesmo é autor, deve avançar o mais rápido possível. 

O auxílio emergencial também é um tema que está em alta na Câmara e no Senado. Os candidatos, em geral, defendem a discussão de uma alternativa para estender ou substituir o benefício. Todos ressaltam que as propostas devem ser feitas dentro do teto de gastos, regra que limita o aumento de despesas do governo federal à inflação do ano anterior.

A eleição

A sessão de votação está marcada para as 19h na Câmara, mas começará assim que 257 deputados confirmarem presença. No Senado, a votação começa às 14h, se houver pelo menos 41 parlamentares na Casa. Na Câmara, para evitar aglomerações, as urnas estarão distribuídas em vários locais, como no plenário e nos salões Verde e Nobre.

No Senado, além de duas urnas no plenário, haverá terminais de votação do lado de fora, em um esquema de “drive-thru”, para senadores do grupo de risco para a covid-19. Os senadores que preferirem não ter contato com outros parlamentares poderão depositar o voto de dentro do carro, em uma urna na chapelaria, uma das entradas principais do Congresso.

Também haverá uma urna para o grupo de risco no chamado Túnel do Tempo, corredor que liga o prédio principal do Senado aos anexos. No Senado, diferentemente da Câmara, a votação será feita por cédulas de papel, não por urnas eletrônicas. Os votos são secretos nas duas Casas. 

 

Últimas Notícias

Ver mais
Sessão temática para debater anteprojeto do novo Código Civil tem data marcada no Senado
Brasil

Sessão temática para debater anteprojeto do novo Código Civil tem data marcada no Senado

Há 3 horas

Pacheco pode pautar marco do mercado de carbono neste mês, diz Padilha
ESG

Pacheco pode pautar marco do mercado de carbono neste mês, diz Padilha

Há um dia

Pacheco pede inclusão de infraestrutura em PL de dívida dos estados
Brasil

Pacheco pede inclusão de infraestrutura em PL de dívida dos estados

Há um dia

Lula veta trecho sobre visita a parentes na lei que restringe 'saidinha' de presos
Brasil

Lula veta trecho sobre visita a parentes na lei que restringe 'saidinha' de presos

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais