Brasil

De quinquênio a juízes a emendas, governo tenta desarmar bombas fiscais no Congresso; saiba quais

Equipe econômica e base trabalham para evitar o avanço de projetos que podem afetar cofre público

Orçamento: governo diz que propostas juntas podem afetar os cofres públicos e prejudicar os planos do Executivo (Leonardo Sá/Agência Senado/Flickr)

Orçamento: governo diz que propostas juntas podem afetar os cofres públicos e prejudicar os planos do Executivo (Leonardo Sá/Agência Senado/Flickr)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 19 de abril de 2024 às 09h51.

Para além da proposta de aumento de 5% nos vencimentos de juízes e promotores, a cada cinco anos, o governo e a equipe econômica tentam segurar o avanço de outras propostas em tramitação no Congresso, que juntas podem afetar os cofres públicos e prejudicar os planos do Executivo.

Só com a chamada PEC do quinquênio, que beneficia as carreiras do judiciário e que foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado nesta quarta-feira, o governo prevê um impacto que pode chegar a R$ 42 bilhões por ano. O valor vai depender de quais categorias serão incluídas ao final da tramitação, como por exemplo a dos aposentados.

Na lista dos projetos preocupantes está ainda o veto às emendas de comissão. Parlamentares destinaram um quinto de todos os recursos livres do Orçamento da União para 2024 sancionado pelo presidente Lula, mesmo com o veto dele de R$ 5,6 bilhões em emendas parlamentares. Deputados ameaçam derrubar a decisão do presidente para recompor os valores já na próxima semana, durante a sessão do Congresso.

As verbas livres são aquelas sobre os quais o poder público pode livremente escolher sua destinação, voltadas principalmente para investimentos e custeio da máquina pública. O percentual sob poder do Congresso ganhou corpo a partir de 2020, mas vinha caindo desde então.

Há ainda preocupação do governo em relação à nova proposta de retomada progressiva da tributação para o setor de eventos, com o fim gradual do Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse), criado para mitigar os efeitos negativos da pandemia sobre negócios dessa área. O impacto poderia chegar até R$20 bilhões, segundo técnicos do governo.

Ainda no radar, está o acordo para antecipar de maio para agora a autorização de um gasto extra de R$ 15,7 bilhões, aprovado na terça-feira pelos deputados — o texto ainda precisa do aval do Senado. A mudança foi inserida de última hora no projeto que recria o seguro obrigatório para vítimas de acidente de trânsito, conhecido como DPVAT.

Engessado

Há também projetos em tramitação que podem engessar o orçamento do governo. O ministro da Defesa, José Múcio Monteiro, foi à Câmara dos Deputados essa semana pedir apoio dos parlamentares para a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que prevê o aumento gradual do percentual do orçamento de 1,2% para 2% do PIB destinado pelo governo às Forças Armadas. Atualmente, o orçamento da Defesa é de 1,1% do PIB. A proposta não tem ainda o aval do Ministério da Fazenda.

Acompanhe tudo sobre:CongressoOrçamento federal

Mais de Brasil

Brasil ultrapassa 5 milhões de casos prováveis de dengue

TSE afirma ter 570 mil urnas eletrônicas em estoque, número suficiente para cobrir danos no RS

Temporais devem retornar ao Rio Grande do Sul nesta semana; veja previsão

Expectativa é avaliar danos no aeroporto Salgado Filho a partir da sexta-feira, diz ministro

Mais na Exame