Brasil

Datena no PSDB: minha vontade é estar ao lado de Tabata

A deputada estava ao lado do apresentador no evento de filiação, que contou com a presença de políticos do PSDB e PSB

André Martins
André Martins

Repórter de Brasil e Economia

Publicado em 4 de abril de 2024 às 13h17.

Última atualização em 5 de abril de 2024 às 12h04.

O jornalista e apresentador José Luiz Datena disse nesta quinta-feira, 4, em ato de filiação ao PSDB, que sua vontade é estar com a deputada federal Tabata Amaral (PSB) na disputa à prefeitura de São Paulo. A deputada estava ao lado do apresentador no evento, que contou com a presença de políticos dos dois partidos. 

”A minha vontade é estar ao lado da Tabata sempre porque é uma pessoa fantástica e maravilhosa que eu gosto e respeito. Agora, eu estou em um partido que está conversando com o meu antigo partido. Eles que definam”, disse Datena em coletiva em um hotel no centro da cidade de São Paulo.

O apresentador deixou o PSB e se filiou ao PSDB em um movimento que pode sacramentar o apoio dos tucanos à candidatura de Tabata.

Datena disse que a ideia de mudar de partido está relacionada com a costura de coligação partidária, mas evitou bater o martelo sobre qual será o seu papel nas eleições deste ano. Em eleições anteriores, gerais ou municipais, o apresentador se colocou como candidato, mas desistiu próximo da disputa.

”Não depende só de nós. Não sei como o PSB vai encarar essa mudança. Os grandes nomes do partido concordaram com esse movimento”, afirmou.

O comunicador brincou com o fato de já ter passado por diversos partidos, forma 11 siglas no total, e deixou claro que não precisa da política. Datena apresenta diariamente o Brasil Urgente, na Rede Bandeirantes.

Datena assinando no PSDB

Datena assina filiação ao PSDB ao lado do Tabata Amaral e José Aníbal (André Martins/Exame)

Em rápido discurso, Tabata elogiou o lado humano de Datena e que seguirá caminhando junto com o apresentador, mesmo que ele deixe o PSB.

”É claro que ficamos com o coração apertado, não é fácil abrir mão de um dos nossos maiores quadros, alguém com o seu tamanho, conhecimento e estatura. Mas esse é um motivo coletivo pensando em São Paulo, e é só por isso que não brigamos muito por você”, disse.

Em mais um aceno ao PSDB, a deputada disse que o partido é referência em todos os assuntos relacionados as políticas públicas de São Paulo.

”Quando quero provocar os meus amigos do PSDB, falo que nem se eu não quisesse não tinha como não falar com o partido. Quero debater infraestrutura, saúde, educação e saneamento, onde estão os quadros? No PSDB”, disse Tabata.

Datena fala sobre Bruno Covas e em resgatar a cidade de SP

Chamado de tucano de bico afiado por José Aníbal, presidente do PSDB em São Paulo, Datena criticou a gestão do atual prefeito Ricardo Nunes (MDB) e relembrou que foi convidado por Bruno Covas para ser o seu vice na disputa em 2020.

”Ele não era mais a sombra do seu avô, mas uma figura imensa que representava, e representava até hoje o PSDB. Conversamos em uma reunião na casa do Doria e acertamos que seria vice do Bruno. Continuei vice do Bruno por dois meses, até que percebi que problemas no partido iriam prejudicar a candidatura dele. Foi a pior decisão que tomei, porque deixou São Paulo na mão do atual prefeito”, afirmou.

Ao falar sobre o seu papel no partido, o apresentador afirmou que quer “expurgar” a política do ódio e chamou de imbecilidade a polarização política entre direita e esquerda. O jornalista defendeu fortalecer o centro.

”A nossa ideologia tem de ser uma só. O povo brasileiro e a Constituição. O povo que é tão esquecido e inclinado a votar pelo ódio. Precisamos de temperança, tranquilidade e firmeza”, disse.

Acompanhe tudo sobre:José Luiz DatenaTabata AmaralEleições 2024

Mais de Brasil

Alagoas assina convênios para atrair R$ 155 milhões em investimentos em troca de incentivos fiscais

Lula critica falta de acordo entre Zelensky e Putin: 'Estão gostando da guerra'

STF dá 5 dias para Tarcísio e Alesp explicarem reembolso de procuradores por 'excesso de trabalho'

Remessas de até US$ 50 batem recorde e chegam a 16,6 milhões antes de volta da taxação

Mais na Exame