Brasil

CUT lança plataforma para pressionar parlamentar a votar contra reforma

A plataforma permite que qualquer pessoa entre em contato com parlamentares, por meio de redes sociais, e-mail ou WhatsApp

Manifestação do Dia do Trabalho em São Paulo, dia 1/5/2019 (Nacho Doce/Reuters)

Manifestação do Dia do Trabalho em São Paulo, dia 1/5/2019 (Nacho Doce/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 1 de maio de 2019 às 17h45.

São Paulo - A Central Única dos Trabalhadores (CUT) lançou, nesta quarta-feira, 1º de maio, a plataforma virtual "Na Pressão", para que a população pressione deputados e senadores a votarem contra a reforma da Previdência.

A plataforma permite que qualquer pessoa entre em contato com parlamentares, por meio de redes sociais, e-mail ou WhatsApp. Com apenas alguns cliques, é possível enviar uma mensagem a deputados e senadores, que são divididos na plataforma em "a favor", "contra" e "indecisos", mas sem especificar como fizeram essa classificação.

"Vamos usar esta ferramenta para pressionar os parlamentares para que a gente derrote essa reforma que nada mais é do que o fim da aposentadoria no País", diz, em nota, o secretário de Comunicação da CUT, Roni Barbosa.

A mensagem que está disponível na plataforma para ser enviada aos parlamentares é: "Sr (a). Deputado (a): Vote NÃO à Reforma da Previdência! A PEC 06/2019 destrói o direito à Aposentadoria da maior parte da população brasileira. Tenha dignidade e não roube a minha aposentadoria!".

Nesta quarta-feira, 1º, as maiores centrais sindicais do país realizaram também um ato unificado do Dia do Trabalho, com a reforma da Previdência como principal alvo. Durante os protestos, foi anunciada ainda uma greve geral para 14 de junho.

Reforma desidratada

Após ser aprovada por 48 votos a favor e 18 contra na Comissão de Constituição, Cidadania e Justiça (CCJ) da Câmara, no dia 24 de abril, a reforma da Previdência está sendo analisada, agora, na Comissão Especial. É nessa fase que se espera as maiores modificações na proposta enviada pelo governo Bolsonaro ao Congresso.

O Centrão - um bloco de partidos que reúne PP, PR, DEM, PRB e Solidariedade - já sinalizou que deve alterar alguns pontos da proposta, como as mudanças na aposentadoria rural, no Benefício de Prestação Continuada (BPC), no abono salarial e na aposentadoria especial dos professores.

A desidratação da reforma na Comissão Especial pode comprometer a economia de R$ 1,237 trilhão em dez anos prevista pela equipe econômica do governo com a aprovação da PEC.

A reforma é considerada essencial pelo governo para equilibrar as contas públicas. O presidente Jair Bolsonaro chegou a afirmar, durante café da manhã com jornalistas em 25 de abril, que, se a reforma não for aprovada, "o caos vai se instalar". "Sem a reforma, ninguém mais vai confiar no Brasil", disse o presidente.

Após passar pela Comissão Especial, a reforma da Previdência ainda precisa ser votada em dois turnos no plenário da Câmara- e para ser aprovada precisa ter, nos dois turnos, 3/5 dos votos dos deputados (308) - antes de ser encaminhada ao Senado.

Acompanhe tudo sobre:CUTDia do TrabalhoReforma da Previdência

Mais de Brasil

Pesquisa encontra agrotóxicos em alimentos ultraprocessados com apelo ao público infantil

STF cria marco civilizatório ao proibir exposição de vida sexual de vítima, dizem advogados

Seguradoras irão pagar, no mínimo, R$ 1,6 bilhão em indenizações no Rio Grande do Sul

Governo libera verba extra de R$ 22 milhões para as universidades do RS

Mais na Exame