Doria anuncia plano de reabertura, mas não crava fim da quarentena

Os municípios serão divididos em zonas de risco, com um protocolo sobre comportamento do vírus; reabertura será em fases e uso de máscara será obrigatório

São Paulo: governo do estado é o primeiro a divulgar plano de reabertura (Amanda Perobelli/Reuters)

São Paulo: governo do estado é o primeiro a divulgar plano de reabertura (Amanda Perobelli/Reuters)

CC

Clara Cerioni

Publicado em 22 de abril de 2020 às 12h40.

Última atualização em 22 de abril de 2020 às 21h00.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta quarta-feira, 22, que a reabertura gradual da economia, hoje restringida devido à pandemia do novo coronavírus, será feita a partir de 11 de maio, mas não cravou que nessa data não haverá mais quarentena em regiões do estado.

O "Plano São Paulo", segundo o governador, será direcionado pela saúde e pela ciência. Os detalhes sobre como será a reabertura, como por exemplo a volta do funcionamento das escolas e do comércio, serão divulgados apenas em 8 de maio e estão condicionados ao avanço da pandemia.

"Quero deixar claro que essa quarentena vai até o dia 10 de maio e nada se modifica ao longo deste período. Nós não estamos dizendo que deixaremos de ter quarentena depois do dia 10 de maio. Nós teremos o Plano São Paulo que vai estabelecer áreas e setores que poderão ser estendidos e outros não. Ninguém falou, nem falará, mas é importante deixar claro, de que nós não estamos anunciando que no dia 11 de maio não teremos mais nenhuma quarentena", afirma Doria.

Os critérios que serão utilizados para o retorno de algumas atividades consideram a preparação do sistema de saúde, da sociedade e dos setores econômicos.

A reabertura será feita em fases e de acordo com as especificidades de cada região e setor, explica Patricia Ellen, secretária de Desenvolvimento Econômico. O uso de máscaras pela população será obrigatório.

Critérios

O primeiro passo, diz Ellen, é segmentar os municípios de acordo com a situação da pandemia e da capacidade do sistema de saúde, com critérios-chave sobre casos, quantidade de leitos de UTI disponíveis e testes para assintomáticos e suspeitos. Serão preparados, ainda, protocolos de saúde e higiene para cada setor econômico de trabalho que for autorizado a retornar.

As regiões (e municípios) serão definidas por nível de risco: zona vermelha, zona amarela e zona verde.

Segundo Ellen, atualmente todas as regiões estão entre a zona vermelha e amarela, porque "para alcançar a zona verde é preciso atingir um baixo número de casos, baixa ocupação dos leitos de UTI, testes disponíveis para assintomáticos e suspeitos e protocolos setoriais implementados."

O plano para a economia será conduzido para evitar que a reabertura desordenada do comércio provoque uma disparada no número de casos e de mortes em decorrência da doença. Na avaliação do governo, além da perda de vidas, o prejuízo econômico será muito maior se a retomada levar a uma quarentena ainda mais rígida nos próximos meses.

O secretário de Saúde, José Henrique Germann, afirmou que reuniu oito referências da experiência internacional para auxiliar a retomada econômica em São Paulo:

  • Lockdown foi fundamental para para viabilizar o achatamento da curva em todo o mundo
  • Países iniciaram a retomada após 40-60 dias do início do lockdown
  • Retomada foi condicionada a curvas de novos casos (transmissibilidade) já "achatadas" e com tendência de queda
  • Alta capacidade de testagem rápida e monitoramento de sistema para identificar e conter novos focos da doença e proteger os grupos de risco
  • Retomada depende da capacidade de atendimento do Sistema de Saúde
  • Regionalização da retomada em função da situação da pandemia e do sistema de saúde
  • Faseamento iniciado por setores de menor risco de contaminação e maior vulnerabilidade econômica
  • Abordagem setorial para definição, implementação e monitoramento de protocolos

Fila de exames zerada

Uma das prerrogativas para uma reabertura gradual segura é a capacidade de testagem rápida da população. Segundo Dimas Covas, presidente do Instituto Butantã, a fila de exames do estado, que estava em 17 mil, foi zerada neste domingo, 21.

"Realizamos desde o dia 9 de abril 36 mil exames contra a covid-19. O teste de acompanhamento é um componente dinâmico e importante da fotografia da pandemia", disse Covas, acrescentando que desde a semana passada, os resultados saem em 48 horas.

No entanto, para garantir a segurança da reabertura, é necessário implementar um protocolo para teste em massa da população. "Ainda estamos estudando o melhor exame, porque nos preocupa o falso negativo, e isso será determinante para a volta das atividades", diz o infectologista David Uip, coordenador do Centro de Contingência contra o Coronavírus.

Setores funcionando

Em um balanço sobre o programa de quarentena para "calar muitas das críticas injustas e irresponsáveis feitas ao estado", o governador João Doria citou os serviços que seguem funcionando, que segundo ele representam 74% de todas as atividades.

Estão abertas e funcionando dentro das regras sanitárias, segundo ele: açougues, empresas de segurança pública e privada, bancas de jornais, captação e distribuição de água, captação e tratamento de esgoto e lixo, clínicas veterinárias, lojas de materiais de construção, comercialização de produtos e insumos agropecuários, meios de comunicação, construção civil, hotéis, petshop, postos de combustíveis, bancos, serviços médicos e odontológicos, lotéricas, cartórios e supermercados, entre outros.

O governador também fez um apelo a prefeitos para que não façam nenhuma mudança de isolamento social antes da data estabelecida para o relaxamento da quarentena, em 11 de maio.

Mais de Brasil

Conflitos por terra batem recorde no Brasil no primeiro ano do governo Lula

Cármen Lúcia mantém condenação de Deltan por Power Point contra Lula

Risco fiscal está 'drenando oportunidades' do Brasil, diz Tarcísio

Fluxo de passageiros para o exterior cresce pelo 24º mês seguido mostra Anac

Mais na Exame