Corte de 44% na verba das Forças Armadas afeta mais a Marinha

Contingenciamento na Defesa atinge construção de corvetas e submarinos; projetos da FAB e do Exército também serão prejudicados

Marinha: contingenciamento de 44% no orçamento das Forças Armadas afetará projetos estratégicos do setor naval (Yasuyoshi Chiba/AFP)

Marinha: contingenciamento de 44% no orçamento das Forças Armadas afetará projetos estratégicos do setor naval (Yasuyoshi Chiba/AFP)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 13 de maio de 2019 às 08h53.

Última atualização em 13 de maio de 2019 às 08h54.

Brasília — A Marinha será a mais atingida pelo contingenciamento de 44% anunciado pelo governo no orçamento das Forças Armadas, o que afetará projetos estratégicos do setor naval. Um deles é a construção de quatro corvetas que seriam usadas na fiscalização de áreas como o pré-sal e a chamada Amazônia Azul - área que totaliza cerca de 4,5 milhões de quilômetros quadrados.

Estavam separados R$ 2,9 bilhões para construir as embarcações, mas a Engepron, empresa de gerenciamento de projetos da Marinha, teve congelados 100% dos recursos previstos neste ano para sua capitalização. Dos R$ 13,1 bilhões do orçamento deste ano das Forças Armadas, foram contingenciados R$ 5,8 bilhões.

O Ministério da Defesa ainda discute quanto cada uma das três Forças perderá individualmente. No entanto, já está certo que a Marinha será a mais prejudicada, pois, além de perder os recursos para as corvetas, também ficará sem parte do orçamento destinado para outros projetos, como o da construção de submarinos.

O governo afirma que congelamento não é corte e que os valores serão recompostos com a aprovação da reforma da Previdência, que deve dar fôlego para a retomada da economia e, consequentemente, do aumento da arrecadação.

A aquisição das corvetas é considerada fundamental para a Marinha, que sofre com o sucateamento de sua esquadra e possui embarcações insuficientes para patrulhar o litoral brasileiro. As oito fragatas que o País utiliza têm, em média, 40 anos.

O resultado da licitação para a compra das quatro corvetas foi anunciado no fim de março. O consórcio vencedor tem à frente a empresa alemã TKMS, associada à Atech Negócios em Tecnologias S.A., Embraer S.A. e Thyssenkrupp Marine Systems GmbH.

A previsão de entrega definitiva dos navios está prevista para ocorrer entre 2024 e 2028, mas isso ainda depende da restauração do orçamento da Força. As embarcações auxiliarão na fiscalização das águas jurisdicionais brasileiras e na zona econômica exclusiva, conhecida como Amazônia Azul.

Outras forças

Na Força Aérea, o contingenciamento vai obrigar, mais uma vez, à redução de treinamentos de seus pilotos. No passado, a Força Aérea Brasileira (FAB) voava uma média de 155 mil horas por ano. Nos últimos quatro anos, com a crise orçamentária nas Forças, esse tempo caiu para cerca de 125 mil horas. Neste ano, a previsão inicial era de 115 mil horas, mas, com o congelamento, deve cair para 95 mil horas.

O contingenciamento na FAB poderá provocar, também, atraso na fabricação de aviões cargueiros KC-390.

A entrega dos 36 caças Gripen, da mesma forma, também deve ser afetada. As aeronaves foram compradas durante o governo Dilma Rousseff (PT). Enquanto isso, o controle dos céus do País é feito com os velhos F-5, Supertucanos e AMX. O primeiro equipamento chegaria em 2019 e o último, em 2024. Até agora, o Brasil não recebeu nenhum e a previsão do término das entregas acabou sendo adiada para 2026.

No caso do Exército, o Sistema de Vigilância das Fronteiras (Sisfron), um dos principais projetos da Força, foi postergado de 2025 para 2035, e poderá sofrer novos atrasos.

Custeio

Foram poupadas do congelamento anunciado pelo governo despesas com alimentação e fardamento e alguns outros gastos de custeio, como combustível para missões consideradas prioritárias.

Também ficou de fora do corte o R$ 1,6 bilhão previsto para ser usado em 2019 no controle do tráfego aéreo, atividade que é desempenhada 24 horas, em atendimento à aviação civil e militar. Esta verba, desde a crise aérea, não sofreu mais cortes e é classificada no Ministério da Defesa como despesa obrigatória.

A maior parte do orçamento do Ministério da Defesa é para cobrir gastos com pessoal, que respondem por 75% das verbas. Outros 13% vão para custeio e despesas correntes, como manutenção dos quartéis, e 2% são destinados para o pagamento de dívidas. Sobra menos de 10% para investimentos. O corte atinge justamente essa cifra de 10%.

A falta de previsibilidade de recursos orçamentários para os projetos é a maior preocupação dos militares. Projetos que foram iniciados há mais de dez anos já foram adiados para serem concluídos em 2040, como é o caso dos blindados Guarani, encomendados pelo Exército à Iveco para substituir os antigos EE-11 Urutus e EE-9 Cascavel, produzidos pela Engesa.

"O bloqueio decorre da necessidade de adequação à lei orçamentária e ao teto de gastos", disse o porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, ao anunciar o congelamento.

Mais de Brasil

Conflitos por terra batem recorde no Brasil no primeiro ano do governo Lula

Cármen Lúcia mantém condenação de Deltan por Power Point contra Lula

Risco fiscal está 'drenando oportunidades' do Brasil, diz Tarcísio

Fluxo de passageiros para o exterior cresce pelo 24º mês seguido mostra Anac

Mais na Exame