Brasil

Quando começa o inverno? veja o que esperar para a próxima estação

A formação de um novo episódio do fenômeno La Niña terá influência no padrão de temperatura e de chuvas

Inverno: m (Spencer Platt/Getty Images)

Inverno: m (Spencer Platt/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 19 de junho de 2024 às 06h56.

O inverno começa amanhã, 20, e deve trazer alívio para as temperaturas que têm se mantido acima da média. Uma massa de ar seco instalada sobre o Brasil deve se estender até os últimos dias do outono, segundo a Climatempo. Apesar da expectativa para a estação, dias de muito frio não devem ser o padrão. Durante a estação, em função das inversões térmicas no período da manhã, são comuns as formações de nevoeiros ou névoa úmida nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, com redução de visibilidade, especialmente em estradas e aeroportos.

Segundo meteorologistas, não são esperados extremos de frio ou calor, mas sim um equilíbrio entre os dois. Há uma tendência para mais dias com temperaturas mais elevadas que o normal, mas ainda assim períodos de frio ao longo da estação.

Além de uma menor incidência de radiação solar, a estação se caracteriza também pelas incursões de massas de ar frio, oriundas do sul do continente, que provocam queda na temperatura do ar, resultando em valores médios inferiores a 22ºC sobre a parte leste das regiões Sul e Sudeste do Brasil, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia.

Essa diminuição de temperatura pode ocasionar: formação de geadas nas regiões Sul, Sudeste e em Mato Grosso do Sul; queda de neve nas áreas serranas e planaltos da Região Sul e episódios de friagem em Mato Grosso, Rondônia, Acre e no sul do Amazonas.

O que é Veranico?

O Brasil está enfrentando um fenômeno chamado de veranico, com dias secos, estiagem e temperaturas acima da média. O fenômeno climático deve afetar a maior parte do Brasil durante os últimos dias do outono. O impacto deve ser sentido especialmente na região centro-sul do país até a chegada do inverno, de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

O fenômeno é causado por uma forte massa de ar seco, estacionada sobre o Sudeste, que continua atuando sobre o Brasil e afetando o clima em todas as regiões do país. A baixa umidade do ar dificulta a formação de nuvens e ocorrência de chuva na maior parte do Brasil, provocando um período de estiagem.

Este acontecimento é comumente visto durante as épocas de chuva, ou seja, o verão, mas também pode ocorrer durante o inverno e outras estações. Por causa deste veranico, muitas áreas do país estão tendo temperaturas bem acima do que seria normal para o mês de junho. O calor fora de época é observado inclusive no Sul do país.

Período de chuvas

Segundo o Inmet, a estação é marcada pelo período menos chuvoso das regiões Sudeste, Centro-Oeste e parte das regiões Norte e Nordeste do Brasil, enquanto os maiores volumes de precipitação (chuva) ficam concentrados sobre o noroeste da Região Norte, leste da Região Nordeste e parte da Região Sul do Brasil.

"A redução das chuvas em grande parte do país nesta época do ano acontece devido à persistência de massas de ar seco, que ocasionam a diminuição da umidade relativa do ar, o que consequentemente, favorece o aumento da incidência de queimadas e incêndios florestais, bem como aumento de doenças respiratórias", explica o Inmet.

La Niña

Segundo o Climatempo, a formação e gradual intensificação de um novo episódio do fenômeno La Niña terá influência no padrão de temperatura e de precipitação no decorrer do inverno 2024. É mais provável que o La Niña comece oficialmente entre julho e agosto.

Inverno no Sudeste

Tempo seco em todas as áreas, especialmente no interior de São Paulo e Minas Gerais, segundo Climatempo, que acrescenta ainda que o norte de SP, Triângulo Mineiro e noroeste de MG, poderão passar os meses de julho e agosto inteiros sem chuva nenhuma. Infiltração marítima pode provocar baixos volumes e chuvas fracas no Espiríto Santo e leste de MG principalmente em julho. No litoral de SP e RJ, chuvas menos frequentes do que o normal, mas que podem ser volumosas durante a passagem de frentes frias.

Já as temperaturas ficam acima da média em SP, Triângulo Mineiro e sul de MG; um pouco acima da média no RJ, litoral do ES e noroeste de MG. Nas demais áreas do estado de MG e interior do ES, o ar seco favorece forte perda radiativa durante as madrugadas, e por isso elas tendem a ser mais frias que o normal em muitas áreas, mas as tardes ainda serão moderadamente quentes. Bloqueios favorecem geadas frequentes na Serra da Mantiqueira.

 

Acompanhe tudo sobre:ClimaBrasil

Mais de Brasil

Sistema de informação do governo federal que está sob suspeita de ataque hacker segue fora do ar

Fogo em ônibus e moto interdita a Marginal Pinheiros em São Paulo

Incidentes cibernéticos em sistemas do governo dobraram no primeiro semestre de 2024

Citada por Janja, entenda o que é 'pobreza energética' e sua relação com a fome

Mais na Exame