Brasil

Coaf volta para Fazenda no governo Lula após passagem por Justiça e BC

Depois, voltou novamente para o comando de Paulo Guedes, no Ministério da Economia, e em seguida foi para o Banco Central, onde estava até antes da edição da medida provisória de Lula

Lula recriou os três e ainda separou uma parte do Planejamento para o Ministério de Gestão, chefiado por Esther Dweck (Andrevruas/Wikimedia Commons)

Lula recriou os três e ainda separou uma parte do Planejamento para o Ministério de Gestão, chefiado por Esther Dweck (Andrevruas/Wikimedia Commons)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 2 de janeiro de 2023 às 15h20.

Última atualização em 2 de janeiro de 2023 às 15h35.

O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) voltou a fazer parte do Ministério da Fazenda, conforme a reestruturação da pasta recriada no novo governo de Luiz Inácio Lula da Silva, publicada em edição especial do Diário Oficial da União (DOU) de domingo.

O órgão que atua na prevenção e no combate à lavagem de dinheiro foi transferido no início da administração de Jair Bolsonaro do então Ministério da Economia para o Ministério da Justiça, liderado na época pelo ex-juiz Sergio Moro.

Depois, voltou novamente para o comando de Paulo Guedes, no Ministério da Economia, e em seguida foi para o Banco Central, onde estava até antes da edição da medida provisória de Lula.

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo toda manhã no seu e-mail. Cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

Na reestruturação da Fazenda, detalhada no DOU, ainda houve a criação de uma nova assessoria na pasta, de Participação Social e Diversidade. No governo Bolsonaro, foi formado um superministério de Economia, que concentrava a Fazenda, o Planejamento e o Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

Agora, Lula recriou os três e ainda separou uma parte do Planejamento para o Ministério de Gestão, chefiado por Esther Dweck.

O superministério de Guedes chegou a incorporar também por um período as áreas do Trabalho e da Previdência, depois transformadas em um ministério à parte para acomodar Onyx Lorenzoni, aliado de primeira hora de Bolsonaro. No governo Lula, cada uma das duas áreas ganhou uma pasta.

LEIA TAMBÉM:

GSI nega que Abin foi usada para orientar defesa de Flávio Bolsonaro

STJ rejeita recurso de Flávio Bolsonaro e mantém validade de dados do Coaf

Acompanhe tudo sobre:CoafFlávio DinoLuiz Inácio Lula da SilvaMDICOnyx LorenzoniSergio Moro

Mais de Brasil

Pesquisa encontra agrotóxicos em alimentos ultraprocessados com apelo ao público infantil

STF cria marco civilizatório ao proibir exposição de vida sexual de vítima, dizem advogados

Seguradoras irão pagar, no mínimo, R$ 1,6 bilhão em indenizações no Rio Grande do Sul

Governo libera verba extra de R$ 22 milhões para as universidades do RS

Mais na Exame