Brasil

Ciclone: Rio Grande do Sul tem morte, estradas bloqueadas, moradores sem luz e aulas suspensas

Uma pessoa morreu em casa após uma árvore cair sobre sua residência

Ciclone no RS: estragos em Porto Alegre após passagem da ventania (Prefeitura de Porto Alegre/Divulgação)

Ciclone no RS: estragos em Porto Alegre após passagem da ventania (Prefeitura de Porto Alegre/Divulgação)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 13 de julho de 2023 às 12h43.

O ciclone extratropical  que atinge o Sul e outros pontos do País deixou pelo menos um morto e causou estragos por toda a região nesta quarta-feira, 12. Por causa da queda de granizo e de árvores em algumas regiões, estradas foram interditadas e imóveis e carros, danificados. Alguns pontos sofrem com falta de energia elétrica. O governo do Rio Grande do Sul suspendeu as aulas na rede estadual nesta quinta-feira, 13, por causa do risco de alagamentos e enxurradas.

Na cidade de Rio Grande, no sul gaúcho, uma pessoa morreu em casa após uma árvore cair sobre sua residência. A informação foi confirmada pelo prefeito de Rio Grande, Fábio Branco, em entrevista a Rádio Gaúcha. A identidade da vítima não foi revelada.

Em diferentes pontos, casas ficaram sem acesso a energia elétrica, de acordo com as distribuidoras locais RGE (Grupo CPFL) e CEEE (Equatorial Energia). É o caso de Pelotas, São José do Norte e Jaguarão. "Com a ventania que atinge neste momento a região Sul do Estado, registramos 144 mil clientes com fornecimento interrompido", disse a CEE, em comunicado publicado na manhã de quarta-feira.

Em Santa Catarina, uma microexplosão - fenômeno que ocorre quando uma nuvem não consegue suportar o volume de água em seu interior e "explode", gerando queda de grande volume de água e intensidade em uma região relativamente pequena - destruiu um galpão no município de Herval D’Oeste.

Em Florianópolis, o Aeroporto Internacional Hercílio Luz ficou fechado por algumas horas depois que um avião derrapou ao aterrissar na pista - caia uma forte tempestade na cidade no momento. Ninguém se feriu no acidente.

No Paraná, o problema maior tem sido a queda de árvores, que danificou veículos e fios elétricos, causando problemas na distribuição de energia. Especialmente no litoral e na metade sul do Estado, a população deve continuar enfrentando ventos fortes e chuva nesta quinta, mas o risco de desastres é baixo, segundo Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (CEMADEN).

A orientação das Defesas Civis é de que a população das áreas de maior índice de chuva e vento forte permaneça em casa, se possível, nesta quinta. Quem vive em locais de risco de desabamentos e/ou alagamentos deve procurar pelos abrigos públicos oferecidos pelas prefeituras.

A população deve evitar também procurar abrigo e/ou estacionar veículos abaixo de árvores. Em caso de emergência, deve-se acionar o Corpo de Bombeiros pelo telefone 193.

Veja também

Estradas

Algumas estradas foram bloqueadas ou parcialmente interditadas por conta da queda de árvores, excesso de granizo na pista, formação de buracos, enxurradas e risco de deslizamentos.

Na BR-116, que corta o Sul do País, o km 181, em Nova Petrópolis (RS) permanece totalmente bloqueado durante a noite por conta do risco. Durante o dia, das 7h às 17h30, funciona apenas para circulação de veículos leves, no sistema de "pare e siga".

O km 304 da mesma rodovia, em Capão Alto (SC), ficou interditado no sentido Rio Grande do Sul na quarta-feira e o fluxo de veículos precisou ser desviado. Segundo a Arteris Planalto Sul, que administra a rodovia, o motivo foi queda de barreira - quando há risco de deslizamentos. A situação foi normalizada no início da manhã desta quinta-feira, mas o acostamento segue interditado.

Granizo

As fortes tempestades também causaram destelhamento de casas e quebraram janelas e portas em imóveis, principalmente nas regiões onde houve queda de granizo. Em Sobradinho (RS), cerca de duas mil casas foram danificadas, de acordo com a Defesa Civil do município. Lonas estão sendo distribuídas para a população, como uma tentativa de minimizar novas perdas.

Acompanhe tudo sobre:CicloneDesastres naturaisRio Grande do Sul

Mais de Brasil

TSE rejeita recursos e Sérgio Moro mantém mandato como senador

Moraes diz que não há nenhuma previsão de adiamento das eleições no Rio Grande do Sul

Motoristas de aplicativo estão trabalhando mais horas e ganhando menos, conclui estudo do Ipea

Senado aprova Programa Nacional de Vacinação em Escolas Públicas

Mais na Exame