Brasil

Carta de Mulheres: TJSP cria canal online para orientar vítimas de violência no lar

A vítima, ou qualquer pessoa que queira ajudar uma mulher alvo de violência, pode acessar o formulário online e preencher os campos

O projeto é inspirado em "Carta de Mujeres", ação semelhante promovida pela Justiça do Peru (Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

O projeto é inspirado em "Carta de Mujeres", ação semelhante promovida pela Justiça do Peru (Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 26 de dezembro de 2023 às 18h36.

Última atualização em 26 de dezembro de 2023 às 19h06.

O avanço da brutalidade a que mulheres são submetidas em casa ou nas ruas levou o Tribunal de Justiça de São Paulo a lançar o 'Carta de Mulheres'. É um projeto que busca ajudar com informações e orientações mulheres que tentam se afastar de agressores.

A vítima, ou qualquer pessoa que queira ajudar uma mulher alvo de violência, pode acessar o formulário online e preencher os campos.

O projeto é inspirado em "Carta de Mujeres", ação semelhante promovida pela Justiça do Peru.

Como vai funcionar?

O Tribunal de Justiça de São Paulo informou que uma equipe especializada da Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Poder Judiciário (Comesp) responderá todos os contatos com orientações.

As respostas incluem informações sobre locais para atendimento adequado, como delegacias de Polícia, casas de acolhimento, Defensoria Pública, Ministério Público, além de diversos programas de ajuda de instituições públicas ou organizações não governamentais.

O guia leva em conta a situação de cada mulher e o tipo de violência (física, psicológica, patrimonial etc.). Também são esclarecidos possíveis desdobramentos em casos de denúncia e os tipos de medidas protetivas existentes.

O que é necessário preencher?

A Assessoria de Comunicação do Tribunal de Justiça destaca que é preciso fornecer o endereço no formulário apenas para que a resposta possa indicar os locais corretos caso a pessoa decida buscar ajuda.

O programa se destina exclusivamente a fornecer orientações e não haverá o encaminhamento dos relatos aos demais órgãos ou instituições do sistema de Justiça.

Para que ocorra a notificação é necessário que a pessoa procure os locais indicados pela Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Poder Judiciário.

Acompanhe tudo sobre:Tarcísio Gomes de Freitassao-pauloMulheres

Mais de Brasil

Pressionado por greves, Lula promete reajuste a todas as categorias: ‘A gente dá o quanto pode’

"Não esqueci da picanha": Lula fala sobre preço da carne e 'saidinhas' em conversa com jornalistas

STJ elege Herman Benjamin como próximo presidente; saiba quem é

Alckmin diz que Lula tem razão em cobrança, mas pondera que já atua junto ao Legislativo

Mais na Exame