Acompanhe:

Campanha de Lula mira em 70% dos votos válidos no Nordeste

Número pode neutralizar eventuais perdas de votos em estados estratégicos, como São Paulo e Minas Gerais

Modo escuro

Continua após a publicidade
Ex-presidente: Luiz Inácio Lula da Silva (PT). (AFP/AFP)

Ex-presidente: Luiz Inácio Lula da Silva (PT). (AFP/AFP)

G
Gilson Garrett Jr

Publicado em 28 de outubro de 2022 às, 08h16.

Dentro da campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) há uma meta muito clara em relação ao número de votos válidos que é preciso atingir neste segundo turno no Nordeste: pelo menos 70%. O objetivo, caso atingido, pode garantir um uma diferença de 40 pontos percentuais entre o petista e o presidente Jair Bolsonaro (PL) na região com o segundo maior colégio eleitoral do país - com 42 milhões de eleitores -, e pode neutralizar eventuais perdas de votos em estados estratégicos, como São Paulo e Minas Gerais.

No primeiro turno, Lula teve 67% dos votos válidos e Bolsonaro ficou com 26,8% entre o eleitorado nordestino. Ciro Gomes (PDT) recebeu 3,4%, e Simone Tebet (MDB), 2,1%, de acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

A ideia da campanha do petista é “espremer” ainda mais os votos da região. A estratégia é usar governadores eleitos do partido, como Fátima Bezerra (Rio Grande do Norte) e Elmano de Freitas (Ceará), que estão nas ruas pedindo voto. Também estão engajados nessa missão prefeitos aliados, como João Campos (PSB), de Recife.

O alvo são os eleitores que votaram em Ciro e em Tebet -- ambos apoiam Lula neste segundo turno. A senadora "mergulhou" na campanha pelo petista, engajando-se em diversas agendas pelo país ao lado do ex-presidente, e Ciro Gomes tem apresentado seu apoio de forma tímida.

Na opinião do cientista político, sociólogo e diretor doInstituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe), Antônio Lavareda, a estratégia de obter o máximo possível de votos no Nordeste faz sentido e pode ser decisiva para a eleição de Lula no domingo, dia 30. Diferentemente de 2018, nesta eleição, Bolsonaro não tem uma larga vantagem no Sudeste. O atual presidente teve 47,6% dos votos válidos, e Lula, 42,6%, na região.  Há quatro anos, também no primeiro turno, Bolsonaro teve 53% dos votos válidos, e Fernando Haddad (PT) teve 19%.

Em 2018, Bolsonaro venceu em São Paulo, maior colégio eleitoral do país, com 67,54% dos votos válidos. No primeiro turno desta eleição, o candidato à reeleição ficou com 47,71%, e Lula com 40,89%.

LEIA TAMBÉM: Zema aposta em prefeitos para virar voto para Bolsonaro em Minas Gerais

“No caso de Minas Gerais, há aquela máxima de que quem ganha a eleição lá ganha no Brasil. Mas se Bolsonaro tirar uma vantagem pequena, de dois ou até quatro pontos, na matemática final da eleição poderemos ter a vitória de Lula, mesmo perdendo em Minas Gerais. Desta forma, interromperia esse ciclo de que ganhar entre o eleitorado mineiro garante a eleição”, diz Lavareda.

No primeiro turno, Lula saiu vitorioso em Minas Gerais (48,29% X 43,60%). No segundo turno, Bolsonaro ganhou um aliado de peso para tentar virar voto: o governador Romeu Zema (Novo). Como mostrado por EXAME, o governador reeleito aposta na força dos mais de 800 prefeitos mineiros para levar o presidente Bolsonaro (PL) à vitória.

No histórico das últimas eleições não seria a primeira vez que um candidato petista chegaria a 70% dos votos válidos no Nordeste em um segundo turno. No pleito de 2014, a ex-presidente Dilma Rousseff atingiu 71,69% dos votos válidos, e Aécio Neves (PSDB) teve 28,31%. Em 2018, Fernando Haddad ficou muito perto, com 69,7% dos votos válidos, e Bolsonaro terminou com 30,3% entre o eleitorado nordestino. Mas diferentemente de Dilma, o ex-prefeito de São Paulo não venceu em Minas Gerais.

VEJA TAMBÉM

Últimas Notícias

Ver mais
Regras para IA nas eleições serão votadas hoje pelo TSE
Inteligência Artificial

Regras para IA nas eleições serão votadas hoje pelo TSE

Há um dia

TSE vota amanhã regra para inteligência artificial nas eleições
Brasil

TSE vota amanhã regra para inteligência artificial nas eleições

Há um dia

Multas eleitorais podem ser pagas com Pix, boleto ou cartão de crédito
Brasil

Multas eleitorais podem ser pagas com Pix, boleto ou cartão de crédito

Há um dia

Análise do Alon: na caixa de brita
Um conteúdo Bússola

Análise do Alon: na caixa de brita

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais