Acompanhe:

Bolsonaro defende anistia para presos de 8 de janeiro e minimiza acusações de golpe

"Golpe usando a Constituição?", questionou Bolsonaro argumentando que o Estado de sítio não foi convocado, apesar de reconhecer a existência de uma minuta com tal fim

Modo escuro

Continua após a publicidade
Tempus Veritatis: Bolsonaro convocou o ato em São Paulo depois de ter sido um dos alvos da operação da PF (Nelson Almeida/AFP Photo)

Tempus Veritatis: Bolsonaro convocou o ato em São Paulo depois de ter sido um dos alvos da operação da PF (Nelson Almeida/AFP Photo)

Em ato com apoiadores na capital paulista, o ex-presidente Jair Bolsonaro defendeu a anistia para presos dos atos antidemocráticos de 8 de janeiro de 2023, quando manifestantes invadiram as sedes dos Três Poderes, em Brasília. Sem citar o Supremo Tribunal Federal (STF), Bolsonaro alegou perseguição e negou a acusação de tentativa de golpe de Estado.

"Passei anos sendo perseguido enquanto presidente, e a perseguição aumentou de força quando deixei a presidência", afirmou em seu discurso na Avenida Paulista, palco de diversas manifestações políticas ao longo de décadas.

Bolsonaro afirmou que "o mal não é eterno", que ele e seus apoiadores podem "fazer muito pela Pátria" e que "a liberdade é o bem maior".

"Golpe usando a Constituição?", questionou Bolsonaro argumentando que o Estado de sítio não foi convocado, apesar de reconhecer a existência de uma minuta com tal fim. Ele acrescentou que ainda que seria necessária a aprovação do decreto (de estado de sítio) no Parlamento.

A Polícia Federal apura a participação do ex-presidente em uma articulação para um golpe de Estado que impediria a realização das eleições de 2022 ou a posse de Lula.

Bolsonaro convocou o ato em São Paulo depois de ter sido um dos alvos da operação Tempus Veritatis (hora da verdade, em latim) da PF no último dia 8, quando teve que entregar seu passaporte às autoridades.

Michelle e Tarcísio

A ex-primeira dama Michelle Bolsonaro também discursou no evento, assim como o deputado Gustavo Gayer (PL-GO), pré-candidato à prefeitura de Goiânia, e o deputado Nikolas Ferreira (PL-MG).

Bolsonaro também teve apoio do governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas, que foi ministro da Infraestrutura em seu governo. Em seu discurso no palco, Tarcísio agradeceu ao ex-presidente e afirmou que eles sempre estarão juntos. "Bolsonaro não é mais um CPF, não é mais uma pessoa, ele representa um movimento de todos aqueles que aprenderam e descobriram que vale a pena brigar pela família, pela pátria e pela liberdade", disse.

*Com informações de Estadão Conteúdo

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Cid presta novo depoimento à PF sobre áudios com críticas a Moraes
Brasil

Cid presta novo depoimento à PF sobre áudios com críticas a Moraes

Há uma semana

Ida de Bolsonaro à Embaixada da Hungria não configurou busca por asilo político, avalia PGR
Brasil

Ida de Bolsonaro à Embaixada da Hungria não configurou busca por asilo político, avalia PGR

Há uma semana

Lula toma vacina da gripe e diz que, com imunização, população 'não vira jacaré'
Brasil

Lula toma vacina da gripe e diz que, com imunização, população 'não vira jacaré'

Há uma semana

Bolsonaro reclama de multa do Ibama após conclusão do caso da baleia na PF
Brasil

Bolsonaro reclama de multa do Ibama após conclusão do caso da baleia na PF

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais