Brasil

Alvo da Zelotes, Giannetti elaborou manifesto de apoio a Alckmin

Economista é um dos alvos da 10ª fase da Operação Zelotes, deflagrada nesta quinta

Roberto Giannetti da Fonseca: economista é um dos colaboradores da campanha política do ex-governador Geraldo Alckmin (Lailson Santos/Exame)

Roberto Giannetti da Fonseca: economista é um dos colaboradores da campanha política do ex-governador Geraldo Alckmin (Lailson Santos/Exame)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 26 de julho de 2018 às 12h51.

Última atualização em 26 de julho de 2018 às 16h58.

São Paulo - O Roberto Giannetti da Fonseca é um dos colaboradores da campanha política do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) à Presidência. O jornal O Estado de S. Paulo mostrou nesta quinta-feira, 26, que ele é o idealizador de uma proposta chamada de "Manifesto Compromisso da Força Centro Democrático" elaborada com o objetivo de mostrar que o tucano propõe um novo modelo de governança.

Gianneti é um dos alvos da 10ª fase da Operação Zelotes, deflagrada nesta quinta. A investigação apura desvios perante o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais do Ministério da Fazenda (Carf). A ação de hoje mira irregularidades em julgamento de processo fiscal de interesse de empresa siderúrgica Paranapanema, com sede na cidade de Santo André (SP). Desta vez, segundo nota da Receita, os prejuízos, em valores atualizados, superam R$ 900 milhões.

O documento, escrito por Giannetti, critica a condução da política econômica e a governança dos últimos governos. "Porém, a má gestão da política econômica, e uma sucessão de práticas irresponsáveis e desonestas pelos governantes, levaram novamente grande parte dos brasileiros nos últimos anos a perder a esperança no futuro de nossa Nação".

As propostas começaram a ser discutidas internamente na campanha de Alckmin nas últimas semanas. A coordenação do tucano não considera o documento como uma peça oficial da campanha, mas o próprio ex-governador já teve acesso ao manifesto escrito por Fonseca. O coordenador econômico do programa de governo, Pérsio Arida, fez a revisão de alguns pontos da proposta de acordo com a apuração do Estado.

O compromisso, que se aprovado estava previsto para ser apresentado no dia o registro da campanha, 15 de agosto, termina com uma mensagem desejando que o PSDB termine a eleição vitorioso: "Esperamos, enfim, que o PSDB e seus aliados sejam os vitoriosos nesta próxima eleição presidencial em outubro, seja pelo que trazemos de positivo em nossas propostas e não apenas pelos malfeitos, abusos e desmandos dos governos que nos precederam, que são enormes".

"A democracia, tal como a concebemos, não se faz destruindo-se os órgãos de Estado ao sabor de interesses partidários e privados, como ocorreu com as Agências Reguladoras, as empresas estatais, os fundos de pensão e a própria administração federal. Nem pela estimagtização infamante dos setores políticos minoritários. É preciso devolver o Estado à sociedade brasileira".

Segundo interlocutores da campanha do tucano, o documento foi elaborado e discutido por pessoas do PSDB, mas não foi debatido oficialmente nem apresentado aos demais aliados. O manifesto que o PSDB apoiou foi o assinado e divulgado pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. A reportagem tentou falar com o economista, mas não houve retorno até a publicação desta matéria.

Acompanhe tudo sobre:Eleições 2018Geraldo AlckminOperação Zelotes

Mais de Brasil

Pessoa afetadas pelas chuvas no RS podem pedir suspensão de dívidas por 6 meses

Fiocruz envia testes de diagnóstico de leptospirose para o Rio Grande do Sul

Programa de habitação da cidade de SP tem licitação anulada e deve atrasar entregas de Nunes

Em meio à crise no RS, governo vai lançar novo sistema de alerta de desastres climáticos

Mais na Exame