Brasil

Alimentos, brinquedos e otimismo: Amigos do Bem arrecada 300 toneladas para o Rio Grande do Sul

ONG leva aos atingidos pela enchente produtos de primeira necessidade, mas também jogos e até doces para aliviar o sofrimento das famílias nos abrigos

Amigos do Bem em Porto Alegre: experiência de 30 anos em doações para ajudar atingidos pelas chuvas no RS (Divulgação)

Amigos do Bem em Porto Alegre: experiência de 30 anos em doações para ajudar atingidos pelas chuvas no RS (Divulgação)

Lucas Amorim
Lucas Amorim

Diretor de redação da Exame

Publicado em 12 de maio de 2024 às 15h02.

Última atualização em 13 de maio de 2024 às 06h41.

Tudo sobreEnchentes
Saiba mais

"Os abrigos estão estruturados, com alimentos, mas com todos muito tristes". A empresária Alcione Albanesi, fundadora da ONG Amigos do Bem, chegou neste sábado a Porto Alegre para se juntar a um exército de a milhares de voluntários que há duas semanas trabalham para ajudar os atingidos pela enchentes históricas no Rio Grande do Sul.

A Amigos do Bem está levando ao estado 300 toneladas de doações, que incluem alimentos, medicamentos, doces e brinquedos. Serão 12 carretas carregadas de produtos arrecadados por 5 mil voluntários em São Paulo neste sábado.

Cerca de 30 voluntários participarão da distribuição, levando ao Rio Grande do Sul a experiência acumulada em 30 anos de trabalhos no sertão do Nordeste. O grupo tem médicos, psicólogos e enfermeiros, além de responsáveis por amenidades como músicas e pinturas de rosto.

"Não é só alimento. Nossas distribuições sempre levam alegria, esperança, procuram alcançar o coração das pessoas. A saúde mental também importa", diz Alcione.

O objetivo da instituição é ir a todos os abrigos para auxiliar os voluntários. "Atendemos 300 povoados e 150 mil pessoas na região mais carente do Brasil. Achamos que podemos colaborar", diz a fundadora da instituição.

No sertão nordestino, a Amigos do Bem é conhecida por um sofisticado sistema de cadastros com códigos de barras que permite identificar as necessidades de cada família e fazer um atendimento personalizado. A expectativa é levar parte desta tecnologia para ajudar os atingidos pelas cheias. "Com o passar dos dias vai ficando mais claro que determinada pessoa precisa de um tipo específico de remédio, por exemplo, e precisaremos de uma logística azeitada para entregar", diz.

A empresária que há 30 anos fundou a instituição diz que está em contato com prefeitura de Porto Alegre e Defesa Civil, e que tem como objetivo tentar impulsionar um trabalho muito bem-feito que já está em campo. "Temos data para chegar, e vamos ficar enquanto nossa contribuição for necessária", diz.

Acompanhe tudo sobre:Rio Grande do SulEnchentes no RS

Mais de Brasil

Gonet diz que 'não faz sentido' proibir delação premiada de presos, proposta em discussão na Câmara

STF tem maioria para derrubar pontos da reforma da Previdência que atingem servidores públicos

CCJ do Senado aprova liberação de cassinos, bingos e jogo do bicho

Mais na Exame