Mulheres são 16% da mão de obra do agro

A pesquisa mostrou que, nas fazendas as profissionais em cargos de liderança são 34% do total
 (Getty Images/Getty Images)
(Getty Images/Getty Images)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 28/10/2022 às 10:03.

Última atualização em 28/10/2022 às 10:04.

O total de mulheres trabalhando em empresas do agronegócio cresceu 13,3% no último ano, conforme aponta a segunda edição da Pesquisa Diversidade, Equidade e Inclusão nas Organizações, da Deloitte. Apesar do avanço, elas ainda são só 16,2% do contingente empregado pelo setor, conforme os resultados apresentados no 7.º Congresso Nacional de Mulheres do Agronegócio (CNMA), ontem, em São Paulo. O evento tem apoio da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag) e o Estadão como parceiro de mídia.

Acompanhe de perto as notícias do agronegócio com a EXAME. Assine por menos de R$ 0,37/dia.

A sucessão foi um dos fatores que contribuíram para o aumento do número de mulheres no agro. A pesquisa mostrou que, nas fazendas as profissionais em cargos de liderança são 34% do total - mais do que no universo geral da economia, onde o total de mulheres no topo é de 27%. "Ficamos surpresas com o aumento da representatividade, mesmo ainda sendo muito pequena", diz Carolina Verginelli, sócia de consultoria da Deloitte.

Mesmo assim, dentre todos os 21 setores pesquisados pelo Deloitte o agro é apenas o 19.º em representatividade feminina - o terceiro mais baixo, depois de indústrias extrativas e construção civil.

Questionamentos

O maior empecilho para a contratação de mulheres é cultural. Do total de 400 entrevistadas, 76% afirmaram que é preciso uma mudança cultural nas organizações agrícolas para que as mulheres tenham mais participação. No entanto, 41% das mulheres que já atuam no setor disseram sofrer questionamentos sobre sua capacidade no trabalho. E isso apesar de o índice de trabalhadoras com ensino superior no segmento ser de 9%, enquanto o de homens é de apenas 3%.

As mulheres ainda relataram que tiveram sua capacidade física de trabalhar no setor questionada. "Isso é um absurdo, porque nenhuma mulher do agro precisa empurrar trator. Com a tecnologia o trabalho deixou de ser braçal", diz Angela Castro, líder do programa de diversidade e inclusão da Deloitte.

Além disso, as mulheres do agronegócio ganham menos do que os homens: um valor médio de R$ 1.606 por mês, ante R$ 1.950 dos homens. Outro relato é o alto índice de demissão nos 12 meses seguintes à licença-maternidade, que chega a 35%.

Para que esse cenário mude, é necessário aumentar a quantidade de mulheres em cargos de liderança no agro. Segundo a pesquisa, 35% das mulheres disseram que não se sentem ouvidas nas associações de classe. "Quando elas participam, os homens não dão crédito ao que elas dizem. Isso precisa mudar", afirma Carolina.