EXAME Agro

Mubadala compra fatia da gigante sucroalcooleira Atvos

A Mubadala Capital fechou ainda o novo fundo Brazil Special Opportunities Fund II (BSOF II), o qual levantou mais de R$ 3,6 bilhões

Atvos pretende investir R$ 1,6 bilhão em suas operações até o final desta safra, com foco na inovação em áreas agrícolas e industriais. (Rodolfo Buhrer/Reuters)

Atvos pretende investir R$ 1,6 bilhão em suas operações até o final desta safra, com foco na inovação em áreas agrícolas e industriais. (Rodolfo Buhrer/Reuters)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 21 de outubro de 2023 às 14h52.

A Mubadala Capital, de Abu Dabhi, nos Emirados Árabes Unidos, comprou 10% das ações da gigante sucroalcooleira Atvos, antiga Odebrecht Agroindustrial. A fatia pertencia ao Grupo Novonor. Com a negociação, a participação econômica da Novonor na Atvos foi encerrada, segundo informou a empresa de bioenergia.

A Mubadala Capital é uma subsidiária de gestão de ativos da Mubadala Investment Company, fundo soberano de Abu Dhabi com US$ 280 bilhões (R$ 1,41 trilhão) em investimentos, segundo a empresa. No começo do ano, o fundo árabe havia assumido o controle da Atvos.

No negócio anunciado nesta sexta-feira, 20, a Mubadala Capital adquiriu as ações por meio do Fundo de Investimento em Participações MC Green, detentor de 31,5% da Atvos Participações S.A. (responsável pelas operações da produtora de biocombustíveis) desde 15 de setembro, quando o processo de recuperação judicial da Atvos foi finalizado.

Leia também: Das mudas à cachaça sustentável: conheça a produtora que inovou na cana-de-açúcar

A Atvos pretende investir R$ 1,6 bilhão em suas operações até o final desta safra, com foco na inovação em áreas agrícolas e industriais. "A empresa também almeja a entrada em novos mercados, como de etanol de milho, biometano, a partir da vinhaça e da palha dos canaviais, e iniciar a produção de combustível de aviação sustentável (SAF, na sigla em inglês)", acrescentou a companhia, em nota.

A Mubadala tem sido um dos investidores estrangeiros mais ativos no Brasil este ano. Em setembro, comprou o controle da rede de academias Bluefit por R$ 464 milhões. Em agosto, elevou sua participação na rede Burger King.

Em 2022, o fundo árabe comprou as faculdades de medicina da UniFTC Salvador e da UnesulBahia. Também adquiriu a concessionária Rota das Bandeiras, que opera quase 300 quilômetros de rodovias em São Paulo.

Dona ainda da Acelen, que controladora da refinaria de Mataripe, na Bahia, a Mubadala anunciou no mês passado parceria com a Petrobras para investimentos conjuntos em biorrefino.

Investimento no Brasil

A Mubadala Capital fechou ainda um novo fundo dedicado ao Brasil. O Brazil Special Opportunities Fund II (BSOF II) levantou mais de US$ 710 milhões (R$ 3,6 bilhões) para alocar em empresas brasileiras maduras que enfrentam alguma complexidade ou dificuldade, mas com fundamentos empresariais sólidos. O fundo tem aproximadamente US$ 20 bilhões (R$ 101 bilhões) sob gestão global de capital próprio e de terceiros.

Leia também: Produtores de cana chegam a prejuízos de R$ 1 bilhão e questionam faturamento das usinas

A estratégia de investimento é semelhante à do primeiro fundo captado pela Mubadala Capital e dedicado ao Brasil (BSOF I), no início de 2022, de US$ 322 milhões (R$ 1,6 bilhão).

Segundo a Mubadala, o BSOF II atraiu recursos de um conjunto diversificado de investidores globais, incluindo um importante fundo de pensão, empresas e gestores de ativos na América do Norte, na Europa, no Oriente Médio e na Ásia. "A conclusão do nosso segundo fundo dedicado à região marca uma década de operações e investimentos bem-sucedidos no Brasil", disse o diretor de investimentos da Mubadala Capital e presidente da Mubadala Capital no Brasil, Oscar Fahlgren.

yt thumbnail
Acompanhe tudo sobre:AgronegócioAgriculturaBrasilEmirados ÁrabesCana de açúcarBiocombustíveis

Mais de EXAME Agro

Ministério da Agricultura será transferido de forma itinerante para o RS, informa Fávaro

Criadores estimam perda de R$ 40 milhões no RS com morte de suínos e danos a propriedades

Conab suspende leilão para compra de arroz; ministro diz que Mercosul elevou preço do grão em 30%

Conciliar proteção ambiental e produção agropecuária depende de maior transparência pública

Mais na Exame