EXAME Agro

Chuva forte e prolongada no RS afeta fase final da safra de soja e logística de escoamento

Situação da oleaginosa preocupa os produtores, pois há muitas lavouras debaixo d'água

Chuva no RS: forte temporal causou alagamentos em Porto Alegre e em outras regiões da cidade  (Anselmo Cunha/AFP)

Chuva no RS: forte temporal causou alagamentos em Porto Alegre e em outras regiões da cidade (Anselmo Cunha/AFP)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 3 de maio de 2024 às 16h12.

Última atualização em 3 de maio de 2024 às 16h21.

Tudo sobreRio Grande do Sul
Saiba mais

As fortes chuvas no Rio Grande do Sul já afetam a produção agrícola do estado, sobretudo as áreas de arroz e de soja. "O que está no campo foi impactado", disse à reportagem o presidente da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), Gedeão Silveira Pereira.

Segundo ele, a situação da oleaginosa é a que mais preocupa, pois há muitas lavouras debaixo d'água, que certamente terão a produtividade comprometida. "A soja tem um limite de umidade para aguentar", disse Pereira. "Com muita água, os grãos vão dilatar, precisamos de sol."

De acordo com ele, ainda há cerca de 40% da oleaginosa a ser colhida. No caso do arroz, entre 20% e 30% das lavouras ainda se desenvolvem.

O governador do estado, Eduardo Leite (PSDB), declarou estado de calamidade pública após 134 municípios gaúchos terem sido afetados.

A situação na região central é muito preocupante, disse o dirigente da Farsul. Cidades como Santa Maria, Candelária e Lageado foram fortemente afetadas. Também há sérios impactos na região das Missões, no noroeste.

Segundo Pereira, há relatos até mesmo de colheitadeiras boiando e de silos inundados. "É uma tragédia", disse.

Ele lembrou que os produtores gaúchos não esperavam uma safra recorde de soja, pois a produtividade foi afetada pela estiagem em janeiro e fevereiro, mas esta seria uma safra superior à dos últimos anos, quando a seca reduziu significativamente a produção.

A situação também preocupa na metade sul do estado. Na região de Bagé, 70% da soja ainda não foi retirada do campo. Em relação ao arroz, a situação é menos preocupante, disse o dirigente, pois a lavoura do cereal é irrigada e por mais resistentes a inundações. "De qualquer maneira, estamos apreensivos", disse.

A logística também foi fortemente comprometida, segundo Pereira. Com estradas obstruídas por barreiras e pontes que caíram, a distribuição de bens de consumo, combustíveis e a entrega de gêneros alimentícios já está afetada, disse.

Na região serrana, municípios como Caxias do Sul e Bento Gonçalves, importantes polos de produção de hortifrutis, também foram atingidos.

Além disso, também haverá interrupção dos carregamentos de soja. "Contratos negociados para serem entregues em junho ou julho já estão sendo renegociados para serem entregues em agosto", disse um corretor de grãos de Passo Fundo (RS).

Todos esses efeitos pegam os produtores gaúchos em um momento em que estão bastante descapitalizados, afirmou o dirigente da Farsul. "Tivemos problemas com o trigo e perdemos cerca de 30 milhões de toneladas de grãos devido à seca na última safra", afirmou. "As duas últimas colheitas foram ruins. Esse é um golpe muito grande, temos receio de falta de recursos para saldar compromissos já assumidos."

O dirigente diz que a Farsul vai acompanhar e avaliar os acontecimentos dos próximos dias antes de anunciar medidas de apoio aos produtores. "Sabemos que o Manual de Crédito Agrícola (MCR) prevê esse tipo de situação, mas ainda é muito cedo para termos uma dimensão dos prejuízos e anunciarmos qualquer medida."

A Emater/RS, empresa do governo local responsável pelo acompanhamento da produção agrícola do estado, disse que ainda está levantando informações sobre os prejuízos. "O Sistema de Registro de Perdas (Sisperdas) está aberto para que sejam lançadas as informações", disse a assessoria de comunicação do órgão.

Segundo a empresa, os dados serão divulgados pelo governo do estado. No momento, de acordo com a empresa, as equipes da Emater estão trabalhando no atendimento e apoio às famílias e comunidades atingidas, com atenção para o deslocamento de pessoas desabrigadas ou na iminência de perderem suas casas.

Conforme dados mais atualizados da Emater, divulgados no último dia 25, a colheita de soja atingia 66% da área plantada no Rio Grande do Sul, com 28% das plantas em estágio de maturação e 6% em enchimento de grãos. No boletim, a empresa informou que as chuvas da semana passada já tinham reduzido o ritmo dos trabalhos de campo. Para o arroz, a colheita atingia 70% da área.

Acompanhe tudo sobre:AgriculturaSojaChuvasRio Grande do Sul

Mais de EXAME Agro

Exportações do agro brasileiro registram queda de 10,2% em maio

Produção de sêmen bovino registra alta de 10% no 1º trimestre de 2024

Rio Grande do Sul: inundações causam queda de 9% na produtividade do arroz, afirma Emater/RS

STF suspende sessão sobre incentivos fiscais para agrotóxicos

Mais na Exame