Acompanhe:

O modelo de negócios da Natura ganhou espaço na revista científica Management Science, relevante título para o mundo da ciência. Por meio da análise de dados georreferenciados, os autores conseguiram mostrar que as áreas onde a empresa brasileira atua tiveram resgate de carbono e melhorias socioambientais. Mais do que isso, a atuação tem reduzido a conversão de floresta para soja e milho na Amazônia.

Leandro Pongeluppe, professor assistente da Wharton School, da Universidade da Pensilvânia, afirma que "onde a Natura entrou, diminuiu-se a produção de soja, milho e commodities". O estudo, que utiliza modelos econométricos, também é assinado por Anita McGahan, professora da Rotman School of Management, da Universidade de Toronto.

Em entrevista à EXAME, Pongeluppe conta que nos municípios em que a companhia tem atividades houve preservação de aproximadamente 18 mil km2 entre 2000 e 2018 - área equivalente a quase todo o estado de Sergipe. Já outras análises mais robustas mostram que o total de área preservada pode variar entre 730 mil e 1,8 milhão de hectares de floresta, representando uma economia de cerca de 58 milhões de toneladas de carbono. 

Leia também: Natura (NTCO3) quer se separar da Avon e lidera altas do Ibovespa; entenda

O artigo confirmou a tese de que, ao usar frutas, nozes e sementes  como ingredientes em cosméticos, xampus e sabonetes, houve internalização dos benefícios prestados pela conservação da floresta, graças a acordos implementados com comunidades tradicionais e apoiados por consumidores ecologicamente orientados.

"De um lado, há consumidores que têm preocupação ambiental e estão dispostos a pagar um preço superior pelo produto. A outra ponta são as comunidades rurais amazônicas que, muitas vezes, fazem a conservação, mas não recebiam. Onde a Natura começou a atuar, elas recebem por esse ativo", afirma o professor.

Conservar e regenerar

Com o estudo, os pesquisadores concluíram que a Natura conseguiu promover a conservação e a regeneração da Amazônia ao oferecer uma opção econômica viável para os pequenos produtores rurais manterem a floresta em pé, ao mesmo tempo em que ganham dinheiro com produtos renováveis nativos do bioma.

Pongeluppe cita que a presença de árvores como ucuuba, castanheira e andiroba contribui para a preservação da floresta. Já o açaí, o tucumã e o cupuaçu tem o papel de regenerar aquelas áreas que já sofreram alguma interferência e são alvo de recuperação.

 “Construímos um modelo de negócios que demonstra na prática - e com comprovação científica - que é possível conciliar progresso econômico e conservação ambiental por meio do relacionamento com cadeias da sociobiodiversidade amazônica, transformando ingredientes naturais em produtos ou desenvolvendo novas soluções agrícolas regenerativas”, afirma  João Paulo Ferreira, presidente da Natura e CEO de Natura &Co América Latina.

Leia também: Klabin, Marfrig e Lojas Renner: Quais empresas estão na lista global de transparência ambiental

'Vantagens competitivas amazônicas'

Atualmente, a Natura se relaciona com 9.120 famílias da Amazônia, em 41 comunidades agroextrativistas. A empresa dispõe de 42 bioingredientes da sociobiodiversidade amazônica, adquiridos a partir de 85 cadeias de fornecimento. 

Ao avaliar os números, Leandro Pongeluppe defende que a aptidão da floresta precisa ser levada em conta no momento em que o Brasil discute o plano de reindustrialização. Para ele, são necessárias medidas para desenvolver a bioeconomia local relacionada à 'marca Amazônia'. "Produzir televisão na Zona Franca de Manaus não faz sentido nem econômico, nem ambiental e não se beneficia das potencialidades do bioma", ele diz.

Desta forma, ele defende que o caso da Natura pode servir de exemplo para outros segmentos além do cosmético, como a gastronomia, a moda e o turismo.

"Vale a pena não incorrer em erros antigos e investir em indústrias que realmente alavanquem essas vantagens competitivas amazônicas. O caso da Natura demonstra que é possível ter esse modelo de negócio lucrativo conservando a floresta, que seja ganha-ganha, para empresas, meio ambiente e as comunidades", afirma Pongeluppe.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Agricultura quer ampliar exportações de carne para União Africana
EXAME Agro

Agricultura quer ampliar exportações de carne para União Africana

Há um dia

Como a União Europeia tenta diminuir insatisfação de agricultores
EXAME Agro

Como a União Europeia tenta diminuir insatisfação de agricultores

Há um dia

Omã abre mercado para bovinos vivos ao Brasil, informa Ministério da Agricultura
EXAME Agro

Omã abre mercado para bovinos vivos ao Brasil, informa Ministério da Agricultura

Há 3 dias

UE propõe flexibilizar exigências e reduzir os controles sobre os agricultores
EXAME Agro

UE propõe flexibilizar exigências e reduzir os controles sobre os agricultores

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais