Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

O que há nos mais novos softwares para iPhone e Android

As duas empresas divulgaram funções para os smartphones que servirão para uma era híbrida de trabalho remoto e no escritório

À medida que a pandemia recua nos EUA, muita coisa vai mudando em relação ao modo como trabalhamos e vivemos. Alguns estão planejando voltar ao escritório, enquanto outros continuarão trabalhando de casa. Muitos farão as duas coisas.

O software do nosso celular, nossa ferramenta mais essencial na pandemia, também está evoluindo para essa nova realidade. As mudanças são cortesia da Apple e do Google, que recentemente revelaram seu mais recente software telefônico, projetado para esta era de trabalho remoto híbrido acelerada pela Covid.

Recentemente, a Apple mostrou o iOS 15, seu próximo sistema operacional para iPhones. O software oferece aos usuários novas ferramentas para o trabalho híbrido, como uma mensagem de status que permite que outros saibam que você está ocupado antes que lhe enviem mensagens. O FaceTime, software de videoconferência da Apple, também passará pela maior mudança desde sua estreia há mais de uma década. O serviço finalmente será aberto para dispositivos que não pertencem à Apple, incluindo telefones Android, e foi melhorado para que as sessões de vídeo tenham som a aparência superiores.

Em maio, o Google apresentou o Android 12, seu mais recente sistema operacional para dispositivos móveis. A empresa se concentrou em agilizar o design de seu software para ajudar as pessoas a fazer seu trabalho de forma mais eficiente, incluindo um menu de atalhos para chegar mais depressa às suas ferramentas favoritas.

Para Carolina Milanesi, analista de tecnologia de consumo da Creative Strategies, as mudanças no iOS 15 e no Android 12 – especialmente a ferramenta da Apple que define limites digitais – refletem a forma como nossa vida e nosso trabalho estão mudando novamente, agora que tentamos deixar a pandemia para trás: "Esse pequeno alerta que diz que as pessoas não querem ser incomodadas será muito importante. Talvez você prepare sua mensagem no fim de semana, mas só a envie na segunda-feira de manhã, para não forçar os outros a trabalhar no fim de semana. Isso tira a pressão."

A Apple e o Google me mostraram os destaques de seus novos sistemas operacionais móveis, que também incluem novos controles de privacidade e melhorias para a câmera do celular. Ambos os sistemas estão prontos para ser lançados ainda este ano.

Aqui está o que você precisa saber.

A Apple e o Google querem que você seja mais produtivo

Presa em casa durante a maior parte do ano passado, muita gente ficou colada às telas do celular, conversando em chamadas de vídeo e trocando mensagens com amigos e familiares em meio a sessões de doomscrolling, que é o ato de gastar um tempo excessivo diante da tela para absorver más notícias. Para alguns, isso fez com que fosse impossível manter o foco em uma única tarefa.

Em resposta, o novo software da Apple fornece aos proprietários de iPhone ferramentas para minimizar distrações, enquanto o Google adicionou botões para ajudar as pessoas a executar tarefas no telefone com mais rapidez.

Vejamos um novo recurso da Apple chamado Focus. Pode ser usado para definir uma divisão de diferentes partes do seu dia em categorias como vida pessoal, trabalho e sono. Para cada uma delas, você decide quais pessoas e aplicativos podem exibir notificações no seu telefone.

Durante o trabalho, dá para programar o celular para que apenas as mensagens de seu chefe apareçam como notificações; outras notificações serão silenciadas. Se você quiser manter o foco em sua vida pessoal, pode permitir notificações apenas de familiares e amigos. É possível também definir o telefone para "Não Perturbar" e mostrar uma mensagem de status como "No trabalho" ou "No cinema". As pessoas que tentarem enviar mensagens verão esse status e poderão considerar enviar mensagens para você mais tarde.

As mudanças do Google são mais cosméticas. Os controles no Android foram redesenhados para incluir grandes botões retangulares para facilitar o acesso a funções como lanterna, configurações de internet e gravador de áudio.

O FaceTime da Apple fica semelhante ao Zoom

A videoconferência se tornou um meio de comunicação onipresente em reuniões de escritório, happy hours e sessões de ioga. Agora, o FaceTime da Apple passou por uma grande renovação, com mais recursos e a capacidade de trabalhar com dispositivos que não são da Apple. Essas alterações o aproximam do Zoom, o principal aplicativo de videoconferência.

Com o iOS 15, pela primeira vez o FaceTime estará acessível por meio de um navegador de internet. Isso significa que usuários de Android e Windows podem usar seu navegador para conversar por vídeo com usuários de iPhone em uma sessão do FaceTime clicando em um link.

Contudo, os novos recursos mais notáveis para o FaceTime continuam sendo uma exclusividade dos dispositivos da Apple. O SharePlay permitirá que os proprietários de iPhone em uma chamada do FaceTime usem um aplicativo em conjunto. Se você transmitir um filme e apertar o botão SharePlay, a outra pessoa na chamada poderá assistir ao filme simultaneamente. Se um usuário de Android estiver na chamada FaceTime, porém, a função SharePlay não funcionará.

O software de câmera da Apple tenta alcançar o Google

Durante anos, a Apple e o Google competiram cabeça a cabeça para oferecer uma câmera de celular que produza fotos excelentes. Mas o da Apple ficou para trás em comparação com o do Google, que é alimentado por inteligência artificial. No iOS 15, há a tentativa de tornar seu software de câmera mais inteligente.

Com um recurso que a Apple chama de Live Text, os usuários do iPhone poderão em breve fazer mais com a capacidade da câmera de trabalhar como um scanner de documentos. Se você tirou uma foto de um recibo de restaurante, por exemplo, poderá usar o Live Text para tocar no número de telefone da foto e ligar para o restaurante. Ou, se apontar a câmera para uma etiqueta de rastreamento, poderá tocar no número de rastreamento para imediatamente localizar o pacote – sem necessidade de digitação.

Os usuários de dispositivos da Apple também poderão acessar esse tipo de imagem mais tarde com uma pesquisa por palavras-chave. Portanto, se você tirou uma foto de uma receita escrita à mão, poderá abrir seu álbum de fotos e digitar o nome da receita para procurar a imagem. Nesse ponto, é possível também converter a receita escrita à mão em texto e transferi-lo para um bloco de notas digital.

A tecnologia que alimenta esse recurso é conhecida como reconhecimento óptico de imagem, misturada com alguma inteligência artificial. O aplicativo de fotos do Android tem um recurso semelhante, o Lens, há cerca de quatro anos.

E o Google tenta alcançar a Apple em privacidade

A Apple fez sucesso nos últimos anos com ferramentas para proteger a privacidade do usuário, incluindo um botão que permite aos proprietários de iPhone pedir que os aplicativos não rastreiem e compartilhem suas atividades com terceiros, como profissionais de marketing.

O Google, cuja receita depende principalmente de anúncios digitais, não conta com um aviso semelhante para que as pessoas optem facilmente pelo não rastreamento. Mas o Android 12 dará mais transparência aos dados que um aplicativo está coletando e fornecerá novos controles para restringir o acesso a eles.

Uma ferramenta, que o Google chama de painel de privacidade, mostra uma linha do tempo de aplicativos que têm acesso a diferentes partes do telefone ao longo do dia. Isso pode mostrar que um app de mídia social acessou sua câmera às 13h e que um aplicativo de meteorologia usou sua localização às 15h.

O Google também adicionou alguns botões para desligar o acesso de um aplicativo ao microfone e à câmera do telefone. Isso pode ser útil em situações delicadas, como quando você visita um médico e quer ter certeza de que ninguém está ouvindo a conversa.

The New York Times Licensing Group – Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também