Acompanhe:

Apex Legends Mobile chega nesta segunda para brigar com Free Fire e COD

O novo título competitivo de celular da EA foi anunciado para 10 regiões incluindo países da América Latina; Brasil fica de fora

Modo escuro

Continua após a publicidade
 (Apex Legends/Reprodução)

(Apex Legends/Reprodução)

A
André Lopes

Publicado em 7 de março de 2022 às, 06h30.

Última atualização em 7 de março de 2022 às, 06h41.

O mercado de jogos mobile ganha, em ritmo acelerado, lançamentos que pouco diferem dos títulos dos consoles de mesa e computadores na qualidade gráfica e conteúdo. Por sinal, em muitas das vezes, os games são os mesmos, sofrendo apenas algumas adaptações para rodarem nos smartphones.

É o caso do novo lançamento da Electronic Arts (EA), nesta segunda-feira, 7, que lança para smartphones o jogo de tiro Apex Legends, que já é bem conhecido no PC e videogames. O game adaptado para celulares chega para competir em audiência com Free Fire e Call of Duty, dois sucessos do gênero battle royale.

O estúdio Respawn Entertainment, que desenvolveu o jogo, revelou que a versão para celulares, no entanto, não alcança jogadores brasileiros já que o título será lançado primeiro na Austrália, Nova Zelândia, Singapura, Malásia, Filipinas, Indonésia, México, Peru, Argentina e Colômbia, em versão de testes.

Mas para quem se arriscar a conseguir o jogo de outra forma, os requisitos mínimos para jogar são pelo menos, 2 GB de memória RAM no iPhone e 3 GB em dispositivos Android, exceto por alguns aparelhos nos quais o game rodará com 2 GB.

Apesar de Apex Legends ser considerado um fracasso na versão tradicional, perdendo público para jogos consagrados como Fortnite, da Epic Games, a chegada da versão mobile deve pôr lenha na disputa das empresas por uma fatia do mercado de 116 bilhões de dólares dos games mobile.

Para ganhar a briga, no entanto, Apex Legends precisa se mostrar um jogo acessível, funcionando em variados tipos de smartphones, e também com atualizações frequentes que prendam a atenção dos jogadores.

Outro requisito é ter um equilíbrio nos custos de itens pagos com dinheiro real. Nesse ponto, a EA pode nãos e sair bem já que é conhecida do público por explorar ao máximo recursos que impossibilitam o jogador de avançar sem que pague uma certa quantia para isso.

Últimas Notícias

Ver mais
Google terá novo centro de engenharia em São Paulo
Tecnologia

Google terá novo centro de engenharia em São Paulo

Há 6 horas

Google vai começar a produzir smartphone Pixel na Índia no próximo trimestre
Tecnologia

Google vai começar a produzir smartphone Pixel na Índia no próximo trimestre

Há 7 horas

Nvidia cresceu tanto que tornou-se quase 'invencível'
Tecnologia

Nvidia cresceu tanto que tornou-se quase 'invencível'

Há 7 horas

Sem aplicativos e guiado por IA: conheça o T Phone
Tecnologia

Sem aplicativos e guiado por IA: conheça o T Phone

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais