Tecnologia

Xiaomi dá 90% de desconto em produtos no Brasil até 2 de dezembro

Para conseguir os descontos, os usuários deverão procurar em todas as abas do site um coelho que oferecerá um cupom

Xiaomi: designação proíbe os americanos de investir na empresa, a terceira maior vendedora de smartphones do mundo (SOPA Images / Colaborador/Getty Images)

Xiaomi: designação proíbe os americanos de investir na empresa, a terceira maior vendedora de smartphones do mundo (SOPA Images / Colaborador/Getty Images)

Tamires Vitorio

Tamires Vitorio

Publicado em 11 de novembro de 2020 às 15h10.

Última atualização em 25 de novembro de 2020 às 11h57.

A partir desta quarta-feira, 11, a chinesa Xiaomi está oferecendo descontos de até 90% em seus produtos no Brasil. O evento chamado de "Operação Resgate ao Mi Bunny" funciona como um jogo dentro do site da empresa, o mibrasil.com.br. A promoção esteve disponível no dia 11, no dia 18, no dia 25 de novembro e funcionará também na próxima quarta, dia 2 de dezembro.

Para conseguir os descontos, os usuários deverão procurar em todas as abas do site um coelho que oferecerá um cupom em determinado produto da marca, como celulares, smartwatches e até mesmo um aspirador robô. No final da compra, o cliente deve adicionar o cupom "resgate" para conseguir usufruir dos preços mais baixos.

Quer conhecer os melhores fundos que investem no exterior? Descubra com o guia de fundos da EXAME Research

Em comunicado enviado à imprensa, a fabricante chinesa afirmou que a campanha "um verdadeiro presente para os nossos fãs, com um desconto que todos sonham".

"Essa é uma iniciativa para evitar possíveis aglomerações em nossas lojas físicas, uma vez que sempre prezamos pela segurança dos nossos clientes. A marca Xiaomi é muito amada em todo o Brasil e não queríamos restringir essa ação somente aos paulistanos, concentrando todas as atividades em nosso novo site, que também conta com novos recursos para suportar o volume de acessos que esperamos”, disse Luciano Barbosa, head do projeto Xiaomi Brasil.

Os altos descontos acontecem em um bom momento para a companhia chinesa. No dia 30 de outubro, relatórios das consultorias Canalys, Counterpoint e IDC mostraram que a Xiaomi ultrapassou a americana de Steve Jobs, usurpando o terceiro lugar no ranking mundial de vendas, com um crescimento de mais de 40% entre os trimestres, deixando para trás até mesmo sua concorrente direta, a também chinesa Huawei.

A Xiaomi, segundo todas as consultorias, teve um crescimento bastante expressivo no trimestre, de 45% sendo a Canalys, 46% de acordo com a Counterpoint e 42% segundo a IDC.

Apesar de o mercado de smartphones ter se recuperado no terceiro trimestre, e ter ensaiado um retorno forte, as vendas ainda são de 1% a 4% menores do que a do mesmo período de 2019. Isso não impediu que a sul-coreana Samsung continuasse a liderar a lista, com um crescimento de 2% no trimestre quando comparado ao mesmo período do ano passado.

Quem sabe um coelho não consegue melhorar a situação.

Acompanhe tudo sobre:RelógiosRelógios inteligentesSmartphonesXiaomi

Mais de Tecnologia

Internet em qualquer lugar? Starlink, de Elon Musk, lança antena do tamanho de um laptop

Você sabe o que é telemática? Tecnologia reduziu em 40% as taxas de colisões em estradas, diz estudo

Instagram está implementando 'live' apenas para melhores amigos

Vício em TikTok? O que é 'brainrot' e por que o termo está tão em alta

Mais na Exame