BC lança PIX, meio de pagamento mais prático que TED e DOC

Ferramenta poderá ser utilizada via celular ou mesmo em computadores a partir de 20 de novembro

São Paulo — O Banco Central lançou nesta quinta-feira um novo meio de pagamentos instantâneo, chamado de Pix, que vai permitir que transferências de dinheiro entre contas correntes sejam feitas em até dez segundos e, na média, em dois segundos.

Pelo novo sistema, também será possível pagar contas de luz, água, cartão de crédito, ou realizar pagamentos de contas de supermercados, restaurante ou de uma viagem de táxi, por exemplo.

A novidade começa a funcionar a partir de 20 de novembro deste ano, e aparacerá como opção de pagamento nos aplicativos de grandes bancos, credenciadoras de cartões e fintechs que aderirem ao sistema.

“É um dos projetos mais importantes do Banco Central este ano e uma necessidade das pessoas. É um sistema de pagamento instantâneo,  rápido e seguro. É um embrião da transformação na intermediação financeira do país”,  disse o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, que participou do lançamento do Pix via teleconferência.

Hoje para fazer uma Transferência Eletrônica Disponível (TED) ou Documento de Ordem de Crédito (DOC) entre contas corrente ou poupança há restrições de horário e valor.

Por exemplo, não é possível fazer essas operações durante a madrugada. No caso da TED, o dinheiro transferido leva mais de duas horas para cair na conta.

Por meio do Pix, além do dinheiro cair em até dez segundos na conta, será possível fazer esse tipo de transação 24 horas por dia, sete dias por semana e 365 dias do ano.

“O Banco Central está oferecendo uma infraestrutura que será utilizada pelos agentes privados de forma a trazer mais competitividade e agilidade ao sistema de maio de pagamentos”,  disse João Manoel Pinho de Mello, diretor de organização do sistema financeiro e resolução do Banco Central.

Na prática, o Pix tem potencial para substituir da TED e do DOC e o uso de dinheiro em espécie. A instituição financeira que utilizar o Pix poderá cobrar pela transação realizada pelo usuário.

Mas o diretor do BC avalia que a tendência é que haverá barateamento dos preços em relação ao que é cobrado hoje nas TEDS e DOCs. Mas a competição será feita pelos agentes que utilizarem esse novo instrumento.

O Pix poderá ser utilizado via celular ou mesmo em computadores. Será possível fazer pagamento através de QR Code. O cliente poderá utilizar o Pix para  pagar taxas federais, como emissão de passaporte, o que deve agilizar a emissão já que o pagamento será compensado de forma instantânea.

Hoje, é preciso esperar dois dias até a compensação e só depois fazer o agendamento na Polícia Federal para a emissão.

Também no caso de uma compra pelo e-commerce ser feita pelo Pix ela será agilizada. Como o pagamento é compensado em até dez segundos, o processo de envio da mercadoria começa mais rápido. No caso de um usuário que tenha esquecido de pagar a conta e a energia tenha sido cortada é a mesma lógica.

“Se fizer o pagamento utilizando o Pix, que tem compensação instantânea, o serviço de religamento da energia pela concessionária é agilizado. Hoje é preciso esperar a compensação”, disse Pinho de Mello.

O diretor do BC disse que segurança é fundamental no novo sistema, tanto para o recebedor quanto para o pagador. Ao fazer o pagamento, o usuário usará as chamadas chaves de endereçamento, como CPF ou CPNJ, e-mail ou número do celular para identificar o recebedor. O pagador escolhe qual das chaves quer utilizar. Depois insere o valor e confirma o pagamento.

Também poderá ser utilizado sistema de reconhecimento facial digital para identificar quem está pagando. O recebedor tem a informação do pagamento também de forma instantânea. Pode conferir em sua própria conta corrente ou receber uma mensagem alertando que o pagamento foi feito.

O Pix também permitirá transações entre pessoas físicas e empresas, somente entre empresas e entre pessoas físicas e o governo (no caso de pagamento de tributos). As instituições com mais de 500 mil clientes serão obrigadas a oferecer o Pix como alternativa de pagamento.

Isso inclui todos os grandes bancos e credenciadoras de cartões, que representam 90% das transações feitas no país. Mas pequenas instituições financeiras, como fintechs, também poderão aderir ao novo instrumento.

“O Pix também vai facilitar a entrada de novos atores, aumentando a competição e os benefícios aos usuários. Está aberto a qualquer tipo de pagamento”, disse Mello.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Deseja assinar e ter acesso ilimitado?

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.