Executivos apontam o que falta para retomada do crescimento

Presidentes de grandes corporações apontam como o setor privado pode ajudar o Brasil a diminuir seu atraso digital
Por Denyse GodoyPublicado em 22/10/2020 05:19 | Última atualização em 21/10/2020 22:12Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Em meio à urgência de proteger colaboradores, apoiar clientes e remodelar negócios gigantes no meio de uma pandemia e sem nenhuma referência anterior, é mais importante do que nunca, para os líderes, lembrar que o impacto das decisões tomadas agora vai se perpetuar por muito tempo. O mundo está mais complexo, mas dá para começar com o básico. Veja como, no Manual do Investidor

Como a tecnologia tem significado a diferença entre morrer e se reinventar, essa é a área que vem recebendo mais atenção nas empresas — e é também onde as profundas diferenças sociais e econômicas que caracterizam o Brasil ficam escancaradas.

No Ranking Global de Competitividade Digital, parceria da escola de negócios suíça IMD com a brasileira Fundação Dom Cabral, o país figura na 51a posição entre 63. Avançou seis passos graças à melhoria no quesito conhecimento, mas ficou estagnado na tecnologia e na capacidade de se preparar para o futuro.

Com a reflexão dos últimos meses, os presidentes de grandes corporações que fazem parte do CEOs Legacy — grupo de discussão de legados relevantes e sustentáveis para a sociedade da FDC — apontam como a iniciativa privada pode ajudar o Brasil a avançar nessas questões em que empacou, construindo bases mais fortes para o país crescer no futuro.

(Germano Lüders, Leandro Fonseca/Divulgação)